Justiça determina prisão de médicos legistas e presidente do Sinmed

Redação|
CadaMinuto

Uma liminar concedida pelo juiz plantonista e assessor da Presidência do Tribunal de Justiça de Alagoas, Diógenes Tenório determinou que os médicos-legistas que estiverem no plantão e se negarem ao trabalho serão presos, assim como o presidente do Sindicato dos Médicos de Alagoas, Wellington Galvão.

A decisão foi tomada baseada no conceito de que os médicos-legistas prestam serviço essencial e não poderiam paralisar os serviços.

A decisão de Diógenes acontece após outra, do presidente do TJ, Sebastião Costa Filho, que permitiu a liberação de corpos sem necropsia, no sábado o Cadaminuto mostrou que parentes e amigos estavam desesperados sem saber como liberar os mais de 20 corpos que estavam nos IML’s de Maceió e Arapiraca.

Durante um evento oficial do Estado, na tarde deste sábado (22), o secretário de Defesa Social, Dário César, lamentou o sofrimento das famílias e classificou como falácias as solicitações dos legistas. “Nós colocamos à disposição da categoria, oferecemos uma bolsa no valor de R$ 2 mil, além de um reajuste em janeiro no valor de R$ 1mil. No entanto, eles não aceitaram. Essa postura de deixar os parentes ao descaso é totalmente inaceitável”, frisou.

O secretário destacou que a Procuradoria Geral do Estado (PGE) solicitou, mais uma vez, a liberação dos corpos sem a necropsia. Ainda segundo ele, esse apelo tem como objetivo a solução parcial do sofrimento das famílias.

“O presidente do sindicato dos médicos se manifesta politicamente e, infelizmente, os médicos o seguem. Na liminar, solicitamos que as contas do sindicato sejam bloqueadas e os médicos respondam individualmente. A greve,como todos sabem, é ilegal e deve acabar imediatamente”, colocou.

O governador Teotonio Vilela Filho (PSDB) comentou, durante o mesmo evento oficial na tarde deste sábado, a paralisação dos legistas.

“É lamentável que essa situação esteja acontecendo novamente. Estamos trabalhando para encontrar o melhor caminho”, pontuou.

O juiz Maurício Brêda, representando o Conselho Estadual de Segurança Pública de Alagoas (Conseg), foi a única autoridade que se deslocou até o IML para comunicar às famílias a real situação do impasse. Aos amigos e familiares, o magistrado avisou que até a manhã deste domingo (23) a liminar solicitada pela PGE deve ser concedida.

À imprensa, o magistrado adiantou que alguns médicos tiveram a prisão decretada em decorrência da ‘prevaricação’. Segundo informações, agentes da Polícia Civil realizam diligências com objetivo de encontrar os legistas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Todos os direitos reservados