Mercado volta a elevar projeção para inflação em 2010 e 2011

Redação|

O mercado financeiro elevou, na última semana, a sua estimativa relativa ao Índice de Preços ao Consumidor (IPCA) para 5,90% em 2010 e 5,31%, no próximo ano, informou nesta segunda-feira (27) o Banco Central, por meio do relatório de mercado, também conhecido como Focus. O documento é fruto de pesquisa com os economistas do mercado financeiro.

No relatório anterior, as previsões para a inflação oficial eram de 5,88% para 2010 e 5,29% para 2011. Esta foi a 15ª elevação na expectativa para o indicador deste ano e a terceira na previsão de 2011.

A estimativa para o Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-DI) foi mantida em 11,60% para este ano e ficou em 5,51% no ano seguinte, acima dos 5,50% aguardados antes. O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M), conhecido como inflação do aluguel, deve encerrar o ano com alta de 11,44% - mesma previsão do boletim anterior - e ficar em 5,54% em 2011 - acima da leitura de 5,52% esperada anteriormente.

Para o Índice de Preços ao Consumidor (IPC), da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), a expectativa deste ano foi elevada de 6,37% para 6,38%, assim como a projeção para 2011, que foi ampliada de 4,78% para 4,88%.

Juros e câmbio
De acordo com a pesquisa Focus, os analistas mantiveram a previsão para a Selic (a taxa básica de juros da economia) para o fim de 2011 em 12,25% ao ano. Hoje a taxa está em 10,75% ao ano.

Para o mercado de câmbio, os analistas preveem que o dólar encerre 2010 em R$ 1,70. Para o fim de 2011, a expectativa para a moeda americana permaneceu em R$ 1,75.

PIB
A previsão para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) em 2010, segundo a pesquisa semanal Focus, foi mantida em 7,61% e, em 2011, em 4,50%. A estimativa para o crescimento da produção industrial em 2010 permaneceu em 10,66%. Para o ano que vem, a projeção para a expansão da indústria caiu de 5,40% para 5,31%.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Todos os direitos reservados