Ilustração

Para tornar pública a diversidade artística de Arapiraca, o Sesc Alagoas realiza no dia 11 de setembro, às 19h, a abertura da exposição Imaginário Coletivo, que tem a participação de 11 artistas plásticos arapiraquenses ou radicados há muitos anos na cidade: Antônio Albério, Alan Carlos, Renan Padilha, Marcone Macedo, Dija, Sivonaldo Menezes, Marcelo Mascaro, Égide Amorim, Zenaide, Zeneide e Zenilda Petuba. Com curadoria de Vera Maurício, a mostra, que inaugura a galeria de artes do Sesc Arapiraca, tem como proposta evidenciar a diversifidade da produção artística contemporânea da cidade.

“Arapiraca sempre foi um grande celeiro de artistas. Para essa primeira mostra, optamos por convidar tanto artistas mais experientes quanto alguns novos talentos, embora todos já tenham realizado exposições em Alagoas e em outros estados”, explica a curadora, Vera Maurício, professora, formada em Educação Artística pela Universidade Federal de Pernambuco e radicada em Arapiraca.
A mostra Imaginário Coletivo fica aberta ao público até o dia 01 de outubro. A próxima exposição a ocupar a galeria Sesc Arapiraca, a partir da segunda quinzena de outubro, é Sobreluzes, da artista visual Myrna Maracajá, selecionada através de edital.

OS ARTISTAS

Antônio Albério
Nasce em Arapiraca, em 1969. Nos anos 90 começa a trabalhar com sucatas metálicas, transformando-as em esculturas de pequenas e grandes dimensões. Expõe em Maceió. Seguindo esta trajetória, o artista encontra na madeira a matéria-prima para a realização de obras artísticas e decorativas. Também desenha e pinta. Realiza exposições individual (Galeria Sesc Centro, Maceió) e coletiva no FESTA (Festival de Artes de Arapiraca).

Alan Carlos
Artista arapiraquense, inicia nos anos 80 sua caminhada para as artes. Na década seguinte ganha um prêmio no salão de artes plásticas de Arapiraca. Nesse mesmo período vai morar na Alemanha, onde se aperfeiçoa na carreira e realiza várias exposições pela Europa, na França, Alemanha e Itália. De volta ao Brasil, passa a morar no Recife e volta a pintar telas em grandes dimensões. Surge também o interesse pela escultura: em ferro, resina, massa plástica, entre outros materiais. Para o artista, a arte existe e é independente do criador.

Renan Padilha
Nascido em Viçosa, vive sua infância e adolescência em Penedo, mas, desde 1969, é em Arapiraca que o artista encontra o cenário ideal para sua produção artística. Expõe em vários estados do Brasil, entre eles São Paulo, onde passa a trabalhar com design de interiores. Em suas cerâmicas, potes, cabaças e bois, o artista geometriza seus traços, deixando as cores vibrarem num trabalho artístico e decorativo.

Marcone Macedo
Ainda quando criança, começa a pintar. Nos anos 90, firma-se como artista com desenhos e pinturas em telas. A partir daí não para mais de criar e produzir. Em 2009, participa de uma coletiva no FESTA (Festival de Artes de Arapiraca). Em 2009 faz sua primeira individual, na Galeria Sesc Centro, em Maceió. A identidade cultural nordestina é fonte de inspiração para o artista desenvolver seu processo criativo.

Dija
Autodidata, a inspiração do artista começa pelo desenho. Retratando pessoas anônimas e famosas, revela-se um artista realista. Seu trabalho rendeu homenagem, do Governo do Estado, em 2002, durante celebração ao cantor e compositor Djavan.

Sivonaldo Menezes
Desde cedo, o artista percebe sua vocação para as artes. Inicia com a pintura em tecido. Depois, começa a pintar em tela. É na arte sacra barroca, com seus arabescos, detalhes rebuscados e principalmente na riqueza do ouro, que o artista encontra sua satisfação pessoal e artística.

Marcelo Mascaro
Nascido no Recife, adota Arapiraca como sua cidade e fonte de inspiração. Passa por fases artísticas: surrealismo e figurativo. Retrata a natureza com sua série de beija-flores e agora entra na fase do abstracionismo.

Égide Amorim
Com uma carreira artística iniciada nos anos 70, a artista realiza várias exposições individuais e coletivas. Um grande marco na sua história artística é a pintura de uma tela ao vivo, durante um show de Hermeto Pascoal, no Teatro Deodoro, no projeto "Feira dos Sons". Além da pintura, também se dedica ao teatro e é orientadora da oficina "Grafismo indígenas", em papel, na aldeia Mata da Cafurna, em Palmeira dos Índios. O local a inspira para uma série de trabalhos e obras com a temática indígena.

Zenaide, Zeneide e Zenilda Petuba
Consideradas exímias escultoras arapiraquenses, as três irmãs arapiraquenses começaram a esculpir em pedra em 1993, por influência do mestre Zezito Guedes. Participaram de várias exposições pelo País e de feiras como a Artnor, em Maceió. Além de exposições, as irmãs têm suas esculturas no livro "Arte Popular Brasileira”, volume 2, entre 40 artistas de vários estados brasileiros . No Memorial da América Latina, em São Paulo, representaram Alagoas em mostra comemorativa aos 20 anos do Memorial.


SERVIÇO
Inauguração da galeria de artes do Sesc Arapiraca
Exposição Imaginário Coletivo
Artistas: Antônio Albério, Alan Carlos, Renan Padilha, Marcone Macedo, Dija, Sivonaldo Menezes, Marcelo Mascaro, Égide Amorim, Zenaide, Zeneide e Zenilda Petuba
Curadoria: Vera Maurício
Abertura: 11 de setembro, às 19h
Período: 11 de setembro a 01 de outubro
Visitação: terça-feira a domingo, das 12h às 18h
Entrada franca
Mais informações: 0800 284 2440