O vice-presidente, José Alencar, afirmou ontem (28) que é inadmissível a acusação da oposição sobre mudanças na caderneta de poupança. Ele rebateu as críticas dos partidos que dizem que a medida representa risco de confisco dos investimentos pelo governo federal nos moldes do que ocorreu durante o governo Fernando Collor de Mello (1990-92).

 

Para o vice-presidente, as insinuações são "besteira". "Isso é maior besteira que tem. O governo tem dado demonstração de respeito as normas uma coisa extraordinária. Jamais aconteceria isso no governo Lula. Pode tirar isso da cabeça porque isso não existe", afirmou.

 

Na semana passada, o PPS começou a fazer inserções no rádio e na televisão sustentando que o governo pretende confiscar a poupança. A propaganda exibida no horário eleitoral do partido deixou petistas irritados.

 

No programa eleitoral, o deputado Raul Jungmann (PPS-PE) critica a intenção do governo Lula de alterar as regras da poupança ao mesmo tempo em que empresta o dinheiro dos brasileiros ao FMI (Fundo Monetário Internacional). "O governo vai mexer na poupança como fez o governo Collor. O PPS vai lutar para que isso não aconteça", diz o deputado no programa eleitoral.

 

O secretário-geral do PPS, Rubens Bueno, disse que o governo já anunciou publicamente sua disposição de mudar a caderneta de poupança. "Como partido de oposição, estamos denunciando que isso virá contra os interesses do pequeno poupador e em benefício de bancos, de grandes especuladores, do sistema financeiro como um todo. Por isso, a necessidade do partido avisar desde já que não aceitará mudanças na poupança", afirmou Bueno.

 

O presidente do PT, Ricardo Berzoini (SP), disse que o "boato" tem como único objetivo alarmar as pessoas sobre algo que não existe. "Ao manipular informações com o objetivo de alarmar as pessoas, o PPS age como uma sublegenda dos neoliberais tucanos. O PPS utiliza de forma indevida o horário partidário no rádio e televisão para espalhar o pânico", afirmou o petista.

 

O PT vai questionar sobre a propaganda veiculada pela oposição. "A utilização do horário eleitoral de modo indevido prejudica uma conquista democrática. É inadmissível que o PPS utilize o espaço reservado aos partidos como está fazendo, manipulando informações", disse Berzoini.