Os taxistas de Maceió serão alvo de nova vistoria do Instituto de Metrologia e Qualidade de Alagoas (Inmeq/AL) nos próximos dias para verificar a aferição dos taxímetros. Passado o prazo para regularização, estabelecido no mês de junho, os técnicos do Instituto descobriram que existem em Maceió táxis que não foram aferidos e continuam a circular irregularmente.

Da atual frota de 3.152 carros matriculados na SMTT, 200 deles continuam a circular sem a aferição periódica do Inmeq, e sem aferição da nova tarifa. A afirmação é do chefe da divisão de táxis, Ivacir Jerônimo Tavares, que assegura: Sem o cumprimento deste procedimento, esses taxistas podem estar usando de má-fé para com os clientes, levando-os a pagar uma tarifa maior.

“É preciso que o usuário fique atento e, ao entrar num táxi, verifique se o taxímetro foi aferido e se contém o lacre e o selo (etiqueta subsequente de verificação) até 2010, para evitar ser enganado”, aconselhou Ivacir Tavares.

Sem a vistoria anual, o equipamento perde a segurança de seu funcionamento correto. Neste caso, o motorista flagrado sem o porte obrigatório de aferição terá o taxímetro lacrado e retirado do veículo pelos ficais do Inmeq.

As penalidades aplicadas aos taxistas podem ser de advertência ou o pagamento de multa que pode variar de um salário mínimo R$ 465 a R$ 1.500, dependendo de quanto tempo vem cometendo a infração. Até o final de julho, em parceria com os órgãos de segurança de trânsito, serão realizadas blitz surpresa em vários bairros da capital.