Médicos veterinários da Agência de Defesa e Inspeção Agropecuária de Alagoas (Adeal) iniciam, na próxima segunda-feira (20), um curso de capacitação sobre raiva dos herbívoros. O treinamento abrange aulas teóricas e práticas e acontece na Universidade Federal de Goiás, até 1° de agosto.

Quatro profissionais passarão pelo curso, que vai habilitá-los a atuar no Programa Estadual de Controle da Raiva dos Herbívoros (PECRH).

Foram escolhidos veterinários dos municípios de União dos Palmares, Viçosa, Santana do Ipanema e Penedo. "Com isso a Adeal fica capacitada a atuar praticamente em todo o Estado no controle da raiva", afirma Hibernon Cavalcante, diretor presidente da agência.

O PECRH foi instalado em Alagoas, em 2004. Em 2009, já foram registradas 14 ocorrências de mortes de animais com suspeita de raiva. Destes casos, seis foram diagnosticados como positivo, três negativos, e cinco estão aguardando resultado.

Atualmente existem focos ativos da doença em Marechal Deodoro e Piaçabuçu. "O foco só é considerado fora de atividade após três meses da última morte de animal por raiva", explica José Granjeiro de França, coordenador do programa em Alagoas.

O coordenador orienta que a presença de morcegos e animais com feridas que aparentem se mordidas devem ser notificadas à Adeal. "Só ó serviço técnico especializado pode controlar o foco e indicar as ações que devem ser tomadas para não por em risco a saúde da população local", ressalta.

A raiva é uma doença aguda do Sistema Nervoso Central (SNC) que pode acometer todos os mamíferos, inclusive os seres humanos. O índice de fatalidade da doença é praticamente de 100%. Em todo o mundo, só existem três casos de cura em humanos. Um nos Estados Unidos, outro na Colômbia e o terceiro, e mais recente, em Pernambuco.

Em Alagoas, os últimos casos de mortes de humanos pela raiva foram registrados em Pindoba, em 2002, e Matriz de Camaragibe, em 2006.