Dentro de seis meses, a Escola Fazendária (Efaz), parte da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz), deve ganhar um prédio novinho em folha. Isso porque, desde o início de julho, diversos homens já trabalham na reforma do local, interditado há cerca de dois anos. A ordem de serviço para o início dos trabalhos foi assinada no último dia 29 de junho e a expectativa é de que, até o início de 2010, o imóvel volte a funcionar completamente.

Com recursos provenientes do Fundo de Modernização e Desenvolvimento Fazendário (Funsefaz), a obra tem um valor previsto de R$ 1.270.152,43. A responsável é a empresa TEC Construções, contratada por meio de uma licitação realizada pela Secretaria de Estado da Infraestrutura (Seinfra) e escolhida após avaliação do Serviço de Engenharia de Alagoas S.A. (Serveal).

Segundo a diretora da Efaz, Denise Lopes, a perspectiva é de que, com a reforma, os trabalhos voltem à rotina normal. “Lá, tínhamos uma estrutura toda pronta para o planejamento e a execução de diversas atividades, como os cursos, por exemplo. Por isso, esperamos que o prédio fique pronto logo para que possamos retornar com uma capacidade de 100%, atendendo melhor tanto os funcionários quanto os contribuintes”, diz ela.

O imóvel onde funcionava a Escola Fazendária encontra-se interditado desde agosto de 2007. Segundo o laudo apresentado pelo Serveal, o local — que também abrigava as Diretorias de Fiscalização; de Mercadorias em Trânsito; de Cadastro e a 1ª Gerência de Administração Fazendária — apresentava problemas em sua fundação causados pelo lençol freático. Após interdição, a maior parte da equipe foi transferida para o antigo Produban.