O ministro Guido Mantega (Fazenda) afirmou nesta terça-feira que a queda na arrecadação registrada desde novembro do ano passado se deve à crise econômica internacional e não está ligada ao desempenho da Receita Federal.

Na semana passada, Mantega informou à secretária da Receita, Lina Maria Vieira, que ela seria substituída no cargo, segundo reportagem da Folha. Ainda não foi escolhido seu substituto, por isso a demissão ainda não foi oficializada nem confirmada pelo ministro.

Ainda conforme a apuração da Folha, Lina Vieira foi demitida por causa da investigação da Receita em relação à mudança contábil realizada pela Petrobras. O órgão considera ilegal a alteração contábil que possibilitou à estatal compensar tributos no valor de R$ 4 bilhões.

Alguns membros do governo estariam atribuindo a troca no comando da Receita, no entanto, à queda nas receitas do governo. A arrecadação federal já caiu por sete meses seguidos nos primeiros nove meses da administração de Lina, que assumiu o cargo no ano passado.

"Eu não conheço nenhum país que esteja aumentando a arrecadação. As razões para a queda na arrecadação são muito claras", disse Mantega, ao citar os efeitos da desaceleração econômica sobre as receitas federais.

Reunião

Os superintendentes regionais da Receita Federal estão reunidos hoje com a secretária da Receita. A assessoria de imprensa da Receita não informa o motivo da reunião. Mas, segundo reportagem da Folha de hoje, sete dos dez superintendentes do órgão ameaçam deixar seus cargos em solidariedade à secretária.

Outra reportagem da Folha publicada hoje diz que o presidente Lula criticou reservadamente o ministro Guido Mantega por causa do vazamento da demissão da secretária antes da escolha de seu sucessor. A preocupação do governo é que a substituição dê mais fôlego para a oposição, que instalará hoje, no Congresso, uma CPI para apurar irregularidades na Petrobras.