Uma nova proposta de reajuste salarial foi apresentada aos servidores municipais na tarde desta terça-feira, 7, em reunião realizada na sede da Secretaria Municipal da Educação e Cultura (SMEC). Apesar da oferta de 2,5% de aumento e do consenso quanto às demais reivindicações, o Sindicato dos Servidores da Prefeitura do Salvador (SINDSEPS) não entrou em acordo com a prefeitura e a greve, que já dura 22 dias, será mantida.

Outra rodada de negociação está marcada para esta quarta-feira, 8. "Apesar de muitos pontos importantes já terem sido definidos, a proposta do reajuste salarial ainda está aquém das nossas expectativas", avalia o diretor do Sindseps, Gustavo Mercês. Os sindicalistas, que no início do movimento grevista pediam 50% de reajuste, esperam agora que a prefeitura faça uma proposta acima do índice de inflação registrado no período, que foi de 5,99%.

EXIGÊNCIAS - Nesta tarde, foram atendidas outras exigências da categoria, como a definição do prazo de 90 dias para implantação de um plano de saúde para todos os servidores, regulamentação da licença maternidade e realização de concurso público entre setembro e outubro deste ano para contratação de 6 mil novos trabalhadores. Participaram da mesa de negociação desta tarde o secretário da Casa Civil, João Cavalcante, e a subsecretária Lisiane Guimarães.

Entre outros pontos acordados, foi definido ainda o pagamento da gratificação de risco no percentual de 40% para os guardas municipais da Superintendência de Segurança Urbana e Prevenção à Violência (SUSPREV). De acordo com Gustavo Mercês, todos essas reivindicações já haviam sido definidas nas últimas rodadas de negociação e foram reafirmadas nesta tarde. "Estas questões já estão garantidas, mas para fechar o acordo todo, estamos aguardando a definição do reajuste salarial", afirma.