O presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, acusou hoje os militares de Honduras de organizar provocações contra seu país e grupos paramilitares para que, fazendo-se passar por seguidores do destituído Manuel Zelaya, disparem contra quem apoia o golpe de Estado em Honduras. Segundo Ortega, com este suposto plano os golpistas poderiam tentar justificar "um banho de sangue em Honduras".

"Não queremos banho de sangue em Honduras, que pensem os golpistas, que não cometam o crime de provocar um banho de sangue em Honduras, porque se o fizerem esse mesmo sangue derramado os vai afogar, acabando por enterrá-los", ameaçou Ortega.

Ortega disse que os militares hondurenhos têm uma campanha contra Nicarágua, Venezuela e Cuba. "Como se nós estivéssemos armando o povo hondurenho. Esse povo não necessita de fuzis para derrubar os golpistas", acrescentou. Segundo o sandinista, o povo hondurenho tem coragem suficiente, confiança e capacidade de se mobilizar para acabar com os golpistas.

Também disse que em Honduras há milhares de nicaraguenses que se dizem objeto de perseguições, por isso falou com o comando do Exército de seu país, ao qual pediu que tomem todas as medidas necessárias para evitar todo tipo de provocação de parte dos golpistas.