De janeiro a junho deste ano, Petrolina, no Sertão, registrou redução de 35,5% no número de homicídios, em relação ao mesmo período do ano passado. Nos seis primeiros meses de 2009, ocorreram 50 crimes, enquanto no primeiro semestre de 2008 foram 76.

As estatísticas, apresentadas ontem pela Secretaria de Segurança Cidadã, em parceria com as Polícias Militar e Civil, incluem dados sobre roubos, agressões e instauração de inquéritos. De acordo com o titular da pasta, Murilo Cavalcanti, a ideia é apresentar os dados relativos à segurança pública a cada seis meses.

Para ele, a redução é resultado de parcerias entre todos os segmentos da sociedade. “São ações conjuntas de prevenção. A repressão, punição de delinquentes e criminosos é importante, mas não é só isso que ajuda. Os pais devem acompanhar mais seus filhos, saber se estão na escola, o que fazem nos espaços públicos, ver a questão das drogas.”

A secretaria também credita a diminuição dos índices de assassinatos aos projetos de iluminação de vias públicas e melhoria de infraestrutura. Segundo Cavalcanti, o próximo passo é atuar em bairros já mapeados pelo poder público.

“Constatamos que a maioria dos crimes ocorre entre quinta e domingo, das 22h às 5h. Nossa preocupação é com os bares e restaurantes, que vendem bebidas a menores em qualquer horário. Vamos discutir a questão e enviar para a Câmara Municipal projeto de lei para que esses locais tenham normas rígidas de funcionamento.”

As estatísticas apresentadas ontem também mostram redução de 29,5% no número de roubos. Entre janeiro e junho de 2008 foram registradas 671 ocorrências, contra 473 no mesmo período deste ano. O único dado considerado desfavorável é de violência doméstica: houve acréscimo de 6,4%.

“Isso não significa necessariamente que a violência em casa aumentou. Pode apontar que as pessoas têm procurado mais a polícia. Não podemos desprezar também o fator desemprego, que aumentou no Vale do São Francisco com a crise mundial, e isso fez com que muitos homens se voltassem para as bebidas, o que pode influenciar na violência”, explica o delegado Glauckus Menck.

O delegado ressalta mais um número positivo: o de inquéritos concluídos e remetidos à Justiça. Em 2008, foram 7 casos. Este ano,já são 29, o que representa um aumento de 314%. “Tivemos reforço de policiais. Só tínhamos um escrivão e agentes que eram deslocados de suas funções e exerciam a função de escrivães. Agora, são 11 escrivães e isso possibilita melhoria do trabalho.”