Amigos do italiano Raffaele Sollecito, acusado junto com a americana Amanda Knox do assassinato da britânica Meredith Kercher, serão ouvidos pelo júri neste sábado, segundo o portal italiano AGI News. Meredith foi encontrada morta com um corte no pescoço no apartamento que dividia com Amanda, no dia 2 de novembro de 2007.

A promotoria acredita que a britânica tenha sido assassinada em um jogo sexual, com a participação de Amanda, Sollecito e do marfinense Rudy Guede, condenado a 30 anos de prisão em outubro do ano passado.

Ontem, depuseram testemunhas de defesa, entre elas Vincenzo Pasquali, funcionário aposentado da polícia forense. De acordo com ele, uma janela do apartamento da vítima foi arrombada pelo lado de fora, e não danificada por dentro para simular uma invasão, como acredita a promotoria.

Amanda e o ex-namorado negam envolvimento com a morte. Segundo afirmou a americana em seu depoimento, ela passou a noite do crime na casa do namorado e só voltou ao apartamento que dividia com Meredith na manhã seguinte. Ao chegar, disse que encontrou a porta da rua aberta e a do quarto da colega trancada. Além disso, Amanda teria percebido sangue seco na pia e no tapete do banheiro.

Ela afirmou que voltou à casa do namorado, a quem contou o que tinha acontecido e ligou para a polícia. Os dois só teriam retornado ao apartamento quando os investigadores já tinham chegado ao local.