A Advocacia Geral da União (AGU) protocolou, Na quinta-feira (2), na 1ª Vara Federal de Brasília, pedido de intimação do tenente coronel da reserva, Sebastião Curió Rodrigues de Moura, conhecido como major Curió. A ação tenta forçar com que o major entregue à Justiça documentos de seu arquivo pessoal relativos à Guerrilha do Araguaia.

Curió atuou na repressão contra a guerrilha, ocorrida na década de 1970, promovida por grupos contrários ao regime militar que vigorava no Brasil. O movimento foi organizado pelo Partido Comunista do Brasil (PCdoB). Segundo a AGU, Curió tem documentos que apontariam informações sobre as vítimas dos conflitos.

Em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo, publicada no domingo, Curió afirmou que 41 guerrilheiros foram executados quando já estavam presos e não ofereciam risco às tropas.

Segundo o procurador regional Manuel de Medeiros Dantas, que protocolou a petição, os documentos são necessários para o cumprimento de uma sentença judicial que determina a localização dos corpos.

"A oitiva é de crucial importância para que a sociedade brasileira saiba dos fatos ocorridos na região, pois é notório, como se tem noticiado na imprensa, inclusive de fatos que a própria União não tem registros oficiais" disse o procurador. "É importante que se tenha acesso a todo o tipo de informação".