A enfermeira Cherilyn Lee, que passou a trabalhar recentemente com Michael Jackson, revelou em entrevistas que o cantor lhe pediu várias vezes a droga Diprivan, usada para induzir o sono.

Quatro dias antes da morte, a equipe do cantor teria telefonado para ela. Na ligação, ela ouviu Michael, desesperado, dizendo que um lado de seu corpo estava quente e o outro, frio. Ela recomendou que ele fosse levado a hospital.

De acordo com o site TMZ, a polícia encontrou na casa dele remédio potente, geralmente usado como anestésico geral.

Nesta quarta, no Rio, Michael foi lembrado por fãs em missa celebrada na Igreja de Santa Luzia, no Centro.

Morte precoce
Michael Jackson morreu, na tarde desta quinta-feira (25), após uma parada cardíaca. O cantor já estava em coma quando foi socorrido pelos paramédicos em sua casa, em Los Angeles. A morte do popstar foi confirmada pelo Instituto Médico Legal de Los Angeles, no início da noite de quinta, como infarto.

O cantor faria 51 anos em agosto e se preparava para uma turnê mundial que estava programada para iniciar-se no dia 13 de julho, em Londres. Há duas semanas, o tablóide The Sun divulgou que ele teria câncer de pele e estaria muito magro, insistindo em fazer apenas uma refeição por dia.

Jackson deixa três filhos, chamados Prince Michael Jr., Paris Michael e Prince Michael II.