A terceira edição do CineCufa, festival de cinema dedicado a filmes que abordam temas ligados a favelas e periferias, vai exibir 161 filmes até o próximo dia 9. As produções terão como protagonistas moradores de favelas de todo o mundo.

O festival começou na terça (30). Os filmes serão exibidos no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), no Centro do Rio, e também em algumas comunidades do subúrbio e da Baixada Fluminense.

Além da exibição de filmes, o CineCufa também vai dedicar um espaço para workshops, palestras e debates. Na quinta-feira (2), o apresentador Luciano Huck conversará com o público sobre empreendedorismo. As inscrições para os debates podem ser feitas no próprio site do festival, o http://www.cinecufa.com.br

Moradores viram diretores

Em busca de novos diretores, organizações não governamentais (ONGs) como a Cufa, criaram cursos de capacitação para que os moradores pudessem filmar suas comunidades com um olhar próprio.

Tiago Araújo do Nascimento, ex-aluno da oficina audiovisual da Cufa, estreia no festival como um dos diretores do documentário “O passo de Madureira”, que conta através de músicos, artistas, comerciantes e camelôs como é o bairro de Madureira, no subúrbio do Rio.

“Para esse documentário, conversamos com o Gerson King Combo, que foi super importante para a black music, até porque em Madureira a questão do soul e do charm está muito ligada aos moradores e aos frequentadores do Viaduto do Charm (baile que acontece embaixo do Viaduto Negrão de Lima). Também gravamos com camelôs e comerciantes do Mercadão de Madureira, ponto comercial conhecido e frequentado por gente de todas as partes da cidade”, explicou Tiago.

Premiação

Os diretores Emilio Domingos e Cavi Borges, que participam do festival com o documentário “Minha área”, não são moradores de comunidades, mas produzem filmes em parceria com produtoras criadas nas favelas, como o grupo Nós do Morro, do Morro do Vidigal, na Zona Sul do Rio.

“É muito legal o festival abrir espaço para aqueles que também não são moradores de favelas, mas que fazem filmes que abordam o cotidiano dos moradores. Estou há quase dez anos criando e produzindo filmes com essa temática” , explica Cavi.

Na edição do ano passado do CineCufa, Cavi foi o ganhador da categoria Júri especializado com o filme “7 minutos”. O cineasta que nesta edição também concorre com o filme “Engano” é um dos mais cotados para faturar o prêmio em 2009.

O melhor filme escolhido pelo júri neste ano será contemplado com uma câmera de vídeo HDV (digital), o melhor documentário ganhará um serviço de legendagem e o filme eleito pelo júri popular fica com uma ilha de edição.