O novo procurador-geral da República, Roberto Monteiro Gurgel Santos, escolhido hoje pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva para substituir Antonio Fernando Souza, tem o perfil parecido com o do antecessor, de quem tinha o apoio.

Lula escolheu hoje um dos três nomes definidos em votação realizada no dia 21 de maio pela ANPR (Associação Nacional dos Procuradores da República). A eleição, que contou com 1.069 votos, deu a Gurgel 482 votos, contra 429 votos de Wagner Gonçalves e 314 votos para Ela Wiecko Volkmer de Castilho.

Como aconteceu das últimas vezes, o presidente indicou o nome que recebeu mais votos. A expectativa é de que Gurgel tenha sido a opção da continuidade.

Gurgel é afável e bem conhecido na Procuradoria, pois cuidava dos concursos de ingresso na carreira, uma função estratégica.

Assim como Antonio Fernando, Gurgel é educado, mas não tem o perfil "combativo", na opinião dos que queriam um procurador-geral que defendesse com firmeza a instituição. Ele tem pouca experiência nas áreas de direitos humanos e penal.

Casado com a subprocuradora-geral Cláudia Sampaio Marques, ele é experiente na área criminal e a quem o então procurador-geral costumava delegar as ações penais mais polêmicas.