Diplomatas norte-americanos estão trabalhando para assegurar a segurança do presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, e sua família, ao mesmo tempo em que pressionam pela restauração da lei constitucional e a volta do líder a seu posto. Dois funcionários norte-americanos, que falaram em condição de anonimato, disseram hoje que conversaram com Zelaya desde que ele foi levado para a Costa Rica pelas forças que o retiraram do poder.

Segundo eles, os Estados Unidos disseram aos líderes militares e outras forças em Honduras que Washington e outros países do continente americano não apoiarão um golpe. Os funcionários afirmaram que os oficiais militares hondurenhos pararam de receber suas ligações telefônicas à medida em que a situação foi ficando mais clara.