Com a moda do cinema em três dimensões, a distribuidora Fox “atropelou” a estreia de “A Era do Gelo 3” e decidiu colocar a animação em cartaz já nesta sexta-feira (26) nas salas 3D em todo o país. A versão tradicional do longa chega aos cinemas apenas na próxima quarta-feira (1º).

Mais família do que nunca, “A Era do Gelo 3” revela logo de cara a agitação do mamute Manny (em inglês dublado por Ray Romano e em português, por Diogo Vilela) pela iminente chegada de seu primeiro filho. Qualquer indisposição de Ellie (Queen Latifah/Claudia Jimenez) é motivo para que ele mobilize todo o reino animal em torno da fêmea, com a certeza de que o bebê vai nascer. “Foi só um chute”, tranquiliza ela, que durante todo o filme terá justamente a missão de racionalizar e equilibrar os impulsos do parceiro afobado.

Acompanhando tudo de perto, sempre de forma meio abobada, Sid (John Leguizamo/Tadeu Mello) está encantado com a chegada do bebê, que considera um pouco seu filho. Mas com a decisão do tigre dentes-de-sabre Diego (Denis Leary/Márcio Garcia) de se afastar dos amigos, o preguiça também põe o pé na estrada, disposto a formar sua própria família.

O acaso o leva a três ovos, que ele supõe abandonados e imediatamente adota –sem se preocupar em saber que animal nascerá dali. Atrapalhado como sempre, Sid enfrenta enrascadas com os ovos, mas arrisca a própria vida para garantir que eles resistam intactos. Até que um dia os “bebês” nascem, e são nada menos que pequenos e fofos dinossauros –sem noção de sua força, e cujo passatempo predileto é engolir todos os bichinhos que veem pela frente, como manda o instinto e a cadeia alimentar.

Não tarda muito até que a mamãe dinossauro surja na Era do Gelo para buscar suas crias sequestradas, e acaba levando consigo, além dos três filhotes, o preguiça encrenqueiro. É assim que Manny e Ellie, com o apoio do sempre fiel Diego –que ressurge para ajudá-los no momento de crise– embarcam em uma jornada para trazer o amigo de volta para casa, e acabam descobrindo um novo mundo, abaixo da superfície, onde vivem as mais diversas espécies de dinossauros, que todo mundo acreditava estar extintas.

Para sobreviver nesse território, o grupo terá de contar com a ajuda do destemido Buck, uma doninha que caiu acidentalmente no mundo dos dinossauros e lá aprendeu a se virar, dedicando sua vida à enfrentar o dinossauro Rudy, que lhe arrancou um dos olhos e de quem ele tirou um dente, tão afiado que transformou num facão, sua maior proteção naquela terra de gigantes –criado a partir de referências do filme “Apocalypse now” (1979) e que presta homenagem clara à obra de Francis Ford Coppola.

Para completar a trupe de “A Era do Gelo”, o xodó do diretor brasileiro Carlos Saldanha –sua própria criação– e dos fãs da animação não poderia ficar de fora. Nesta terceira parte da franquia, Scrat ganha mais destaque, e encontra uma rival em sua eterna saga atrás da noz. A versão feminina do esquilo ganhou o nome de Scratita, e supera em esperteza seu adversário por diversas vezes seguidas, até que os dois se apaixonam.
Entre as cenas marcantes está a que eles, em meio à briga, dançam tango ao som de “You’ll never find another love like mine”. E depois, já devidamente comprometidos, quando ela faz Scrat arrastar o “sofá” da casa de um lado para o outro, sem conseguir se decidir onde ele ficar melhor. Até Scrat se arranjou, mais família impossível.