O Núcleo do Meio Ambiente do Ministério Público Estadual se reuniu com representantes da Agência de Defesa e Inspeção Agropecuária de Alagoas (Adeal) e Coordenação da Vigilância Sanitária (Covisa) para definir a situação das queijarias do estado. Durante a reunião ficou definido que os donos de panificação, supermercados e outros estabelecimentos comerciais serão informados no sentido de não adquirir queijos de procedência duvidosa e sem o registro no órgão competente, com embalagens fora dos padrões sanitários.

De acordo com a promotora de Justiça Dalva Tenório, a Vigilância Sanitária de Maceió tem um prazo de até 15 dias, desde o dia 10, para enviar a relação dos estabelecimentos que comercializam queijos. “Após o envio deste ofício será deflagrada uma campanha nos órgãos de comunicação do município e do estado para esclarecer a população sobre os perigos da contaminação da compra do produto fora dos padrões”, informou a promotora.

“Após a campanha será feito um mutirão para fiscalizar os estabelecimentos. E caso eles estejam comercializando produtos que prejudiquem a saúde do consumidor será apreendido e o estabelecimento poderá perder a sua licença de funcionamento. Quero destacar a importância da população nessa campanha, pedir a ajuda e o apoio de todos", explicou Dalva Tenório.

Foi solicitado em audiência que os municípios implantem, através de suas secretarias de Agricultura, o Serviço de Inspeção Municipal ( SIM), órgão que deverá atuar nos produtos de origem animal em cada cidade.