O ex-deputado estadual Paulo Fernando dos Santos, o Paulão (PT), publicou – em seu micro-blog – que a Assembleia Legislativa do Estado de Alagoas – após assinar um termo de débito com a Eletrobras Distribuição Alagoas, resolveu entrar com um interdito proibitório, impedindo a fornecedora de cortar a energia elétrica da Casa de Tavares Bastos, mesmo com os valores não pagos!

Um benefício que não é para grandes consumidores, já que os meros mortais – caso não paguem não terão energia elétrica; ficam sem luz. Levando-se em consideração os últimos fatos envolvendo a Distribuidora Eletrobras, há casos dos meros mortais pagarem – em dia! – e ainda assim não terem energia elétrica durante longos períodos, como já noticiado exaustivamente na imprensa.

Paulão – que retornou aos trabalhos na fornecedora de energia - coloca que “só quem garante os interditos proibitórios são os grandes consumidores”. Em épocas passadas, a Assembleia Legislativa já teve problemas com a Eletrobras, inclusive envolvendo suspensão de energia por falta de pagamento. Para quem não lembra, o presidente Fernando Toledo (PSDB) – na época – achou o fato “uma sacanagem”.

Quando o assunto é parlamento, o termo “sacanagem” é adjetivo para tantas práticas. Corre o risco até de alguns deputados estaduais não ligarem para a ausência de energia elétrica, devido já estarem acostumados a algumas práticas às escuras...Com a palavra, Fernando Toledo, sobre tal interdito proibitório, se justo, se cabível, ou não! Do escuro metafórico, saíram os fatos que resultou na Operação Taturana, lembram? 16 deputados – na época - indiciados.

 

Estou no twitter: @lulavilar