Bebê de 6,1 kg recebe alta após 22 dias de internação no RS

  • 31/03/2009 08:45
  • Brasil/Mundo

A menina Luana Cecli Lichkoviski, de 6,1 quilos, recebeu alta médica na sexta-feira (27), após 22 dias de internação para tratar de um problema no coração, descoberto após o nascimento, na quinta-feira (5), no Hospital de Caridade de Alecrim, no Rio Grande do Sul.

Segundo Jorge Leandro, secretário municipal de Saúde de Alecrim, a criança vai tomar alguns medicamentos, mas não vai precisar de acompanhamento médico diário. "Ela vai para casa com a saúde plena. O bebê terá de fazer alguns exames de rotina daqui para frente."


 

A agricultora Maria da Cruz da Silva, 40 anos, mãe de Luana, só encontrou com a filha na quinta-feira (12), na Santa Casa de Porto Alegre, para onde a menina tinha sido transferida para tratamento de alteração no miocárdio. Ela só foi liberada para amamentar na sexta-feira (13).

Enxoval

A assistência social da Prefeitura de Alecrim (RS) está providenciou novas peças de roupas para o enxoval da menina, que não serviu, pois tem o tamanho de uma criança de 4 meses, segundo os médicos da cidade e de Porto Alegre. Maria da Cruz teve outros cinco filhos e teve de desfazer das primeiras peças de roupa para Luana. 

"Eu não esperava que nascesse uma criança tão grande assim. Foi uma surpresa, mas estou muito feliz com minha filha. Agora que estou em casa, preciso conciliar meu tempo com os meus outros cinco filhos (de 17, 15, 13, 8 e 5 anos)", disse a mãe.

Mandioca

O médico que realizou o parto, Paulo Dorneles, disse ao G1 que a alimentação da mãe pode ter relação com o tamanho da criança. "As pessoas comem muito amido, muita batata e mandioca aqui na região. Isso poderia ser um fator para a criança crescer um pouquinho, mas não explicaria esse tamanho todo".

Ele disse ainda que a ecografia indicou 40 semanas de gestação, mas a previsão do parto era para o dia 20 deste mês. "Por isso ela foi transferida para Santa Rosa e depois para Porto Alegre. Era necessária uma avaliação mais detalhada para saber se o bebê tem problema respiratório ou cardíaco".

Outra suspeita para justificar o tamanho da criança seria a diabete gestacional da mãe, mas a hipótese foi descartada, segundo Dorneles.