O ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, afirmou que não irá ceder às pressões sobre o licenciamento da BR-319, que liga Porto Velho (RO) a Manaus (AM), e ainda provocou o ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento. "O Alfredo Nascimento está desesperado porque ele tem um cálculo eleitoral. Ele é candidato ao governo do Amazonas, mas o tempo de defesa da Amazônia não é o tempo eleitoral dele. Já sou contra a estrada. Se licenciar com os dez pontos que eu mesmo coloquei já me estrepo, imagina licenciar sem eles?, questionou.

Um ano após assumir o cargo, Minc disse que a área ambiental "tem sérios problemas a enfrentar", principalmente por pressões no parlamento, na sociedade e no governo para flexibilizar a legislação ambiental. "O momento é muito delicado, tem essa questão de PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), de obras, eleições, a questão produtivista, que às vezes trazem a ideia de que o meio ambiente está atrapalhando, de que tem que diminuir as leis (ambientais)", afirmou.

Segundo ele, uma das ameaças é a campanha liderada por representantes do agronegócio para flexibilizar as exigências do Código Florestal, com a redução da área de vegetação nativa a ser preservada nas propriedades rurais, por exemplo. A resposta ambientalista vem sendo articulada em parceria com a agricultura familiar, no que Minc chama de "aliança entre ecologia e reforma agrária".