O Seturn não vai questionar a decisão da prefeita Micarla de Sousa de manter, este ano, as tarifas de ônibus urbanos em Natal sem reajuste. A decisão foi tomada, na tarde de ontem, depois de uma reunião entre a prefeita Micarla de Sousa e representantes do Sindicato das Empresas de Transporte Urbano de Passageiros  (Seturn), que concordaram em dar um voto de confiança ao município.

“O reajuste da tarifa está fora da pauta de discussão da prefeitura por tempo indeterminado. A prioridade do município é a melhoria na qualidade do serviço”, afirmou o titular da Secretaria Municipal de Transporte e Trânsito Urbano (STTU), Kelps Lima.

De acordo com a assessoria do Seturn, os empresários se sensibilizaram com o pedido da chefe do executivo, alegando que o município vive um momento complicado com os problemas ocasionados pelas chuvas e a crise da saúde. Ainda segundo a assessoria de imprensa, o município apresentou alguns pontos falhos do serviço de transporte e os empresários se comprometeram em solucioná-los. Não foi informado quais seriam esses pontos.

Antes da reunião entre a prefeita e o Seturn, Kelps Lima,  apresentou alguns desses pontos que estão em desacordo com o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), assinado em setembro de 2007.

Segundo o secretário, a renovação da frota de ônibus está sendo feita, mas não condiz com o ‘espírito’ do Termo. “Existem três categorias de ônibus: novos, médios e antigos. As empresas estão fazendo essa substituição, mas ao invés de tirarem os ônibus mais antigos, tiram os médios e colocam os novos”, disse.

De acordo com o relatório da STTU, a empresa Riograndense possui 64,7% da sua frota (o equivalente a 22 ônibus) acima dos dez anos. A  Guanabara possui 89 veículos (40% da frota) com mais de 10 anos, sendo que desses 17 ônibus estão com mais de 13 anos de uso. A Transflor e Conceição têm, respectivamente, 23%  (12 veículos) e 28% (28 ônibus) com mais de uma década de circulação.

Através da sua assessoria de imprensa, o Seturn garantiu que a frota está sendo renovada e que mais de 100 novos veículos foram colocados em circulação desde a assinatura do TAC. O problema é quealgumas empresas tem condições financeiras de renovar mais rápido a sua frota, mas que no geral, os empresários estão cumprindo esse ponto do TAC.

Um outro aspecto, que segundo o titular da STTU, estaria em desacordo com o Termo de Ajustamento de Conduta é a regularização do serviço de transporte noturno. “ O índice alcançado pelas empresas foi abaixo do desejado. Como exemplo eu posso citar a linha Ribeira/Pajuçara/Parque das Dunas/Brasil Novo/ Redinha. Das 40 viagens previstas, apenas 28 foram realizadas. Ou seja, eles tiveram um índice de eficiência de 70%. Esses dados foram conferidos in loco, no período de 01 a 20 de maio”, disse Kelps Lima.

Além desses argumentos, o secretário explicou que um reajuste da tarifa neste momento de crise financeira limita o crescimento da cidade. “O vale transporte é o maior encargo para as empresas. A situação fica ainda pior para os trabalhadores informais, pois no caso da empresa, o ônus é dividido, mas para os informais os gastos são maiores”, justificou Kelps Lima.

Motoristas e patrões não chegam a acordo salarial

O Sindicato  dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário do Rio Grande do Norte (Sintro-RN) e o Sindicato das Empresas de Transporte Urbano de Passageiros  (Seturn) não chegaram a um consenso no que diz respeito ao reajuste salarial da categoria.