Senadores criticam ação do governo do Piauí

  • teresa
  • 30/05/2009 20:00
  • Política
A autorização dada à população da região de Cocal, no Piauí, para que voltasse às proximidades da barragem Algodões I recebeu críticas de senadores pelo Piauí. O local havia sido evacuado três semanas antes, em razão do risco de rompimento da barragem. Mas, baseado em parecer técnico, o governo do estado autorizou o retorno. Para Heráclito Fortes (DEM), "permitir ou estimular o retorno das pessoas à zona de risco foi um ato de extrema irresponsabilidade".

Na avaliação do senador, antes de autorizar a volta das famílias, o governador do estado, Wellington Dias, deveria ter formado uma junta técnica especializada para avaliar profunda e preventivamente a real situação da barragem.

– Acho que esse fato tem que ter uma apuração. Afinal, a barragem de Algodões é um patrimônio público e deveria merecer manutenção, reparos permanentes, pois já tem cerca de 20 anos de construção – reclamou.

Heráclito também sugeriu medidas efetivas para que ações dessa natureza não se repitam, como uma investigação profunda sobre a situação de todas as barragens e pontes do estado.

Mão Santa (PMDB) disse que a ordem foi "criminosa" e criticou o parecer técnico que permitiu o retorno.

– Todo o país, pelos meios de comunicação, vive o momento de angústia que os piauienses enfrentam – afirmou.

Em seguida, o senador apelou ao presidente Lula e a outras áreas do governo por urgente apoio aos moradores da região atingida.

– Tenho certeza de que o presidente dará a mesma atenção ao Piauí que foi dada durante semelhante desastre ecológico no poderoso estado de Santa Catarina – cobrou.

A inundação que se seguiu ao rompimento da barragem deixou pelo menos cinco mortos, vários feridos, 11 desaparecidos e desabrigados na região de Cocal.

A 282 quilômetros de Teresina, o município possui pouco mais de 26 mil habitantes. Cerca de 2.500 moradores haviam sido retirados da região três semanas antes, quando foram detectados sinais de risco na barragem – inaugurada em 2001 –, em razão do excesso de água das recentes chuvas. Depois, um dique foi construído, a pedido do projetista da obra. O engenheiro Luiz Hernani teria atestado que não havia mais riscos.

Mão Santa pediu que as ações de emergência também cheguem a Buriti dos Lopes e a outras cidades às margens do rio Pirangi, que tem suas águas represadas pela barragem. O senador disse que tanto Cocal como as outras cidades atingidas precisam ser reconstruídas, sendo este um momento de "união".

– As vidas não retornarão, mas que elas sirvam para que os governantes tenham mais responsabilidade com o futuro da sua população.

Mão Santa aproveitou para agradecer a generosidade dos brasileiros que vêm fazendo doações para atender a população castigada pelas chuvas.