Após o segundo teste atômico realizado esta semana pela Coreia do Norte, os Estados Unidos decidiram reforçar sua presença no Pacífico com o envio de 12 caças F-22 Raptors ao Japão.

Os aviões militares, que decolaram do Estado da Virgínia, chegaram neste neste sábado (30) à base aérea de Kadena, localizada na província japonesa de Okinawa.

De acordo com fontes do Departamento de Defesa, os aviões fazem parte dos dois esquadrões que a Força Aérea americana montou nos últimos quatro meses com objetivo de reforçar a segurança no Pacífico Ocidental.

O envio dos aviões acontece no mesmo dia em que o secretário de Defesa americano, Robert Gates, afirmou que Estados Unidos responderão "rapidamente" se as ambições nucleares da Coreia do Norte ameaçarem o país ou seus aliados na Ásia. A declaração foi feita em Cingapura, durante uma conferência sobre segurança.

"Não ficaremos parados enquanto a Coreia do Norte desenvolve capacidade para semear a destruição", disse Gates.

"A política dos Estados Unidos não mudou. Nosso objetivo é a desnuclearização completa e inquestionável da península coreana, e nós não vamos aceitar que a Coreia do Norte seja um Estado nuclearizado", afirmou.

No mesmo dia, Gates, ao lado de autoridades da Coreia do Sul e do Japão, firmou uma via multilateral para conter a ameaça das ambições nucleares da Coreia do Norte.

"Se a Coreia do Norte pensa que desta vez vai ser recompensada por seus erros, está completamente enganada", afirmou o secretário de Defesa sul-coreado Lee Sang-hee.

A advertência de Gates e o acordo entre os três países aconteceu após um jornal sul-coreano informar que a Coreia do Norte prepara-se para levar um míssil balístico intercontinental de uma fábrica perto de Pyongyang para uma base de lançamento na costa leste do país.

O jornal citou uma fonte anônima em Washington. Mais cedo, o governo do ditador Kim Jong-il já havia lançado um foguete de curto alcance, no sexto lançamento feito só nesta semana.

A fábrica ao norte da capital norte-coreana é a mesma onde foi fabricado o foguete de longo alcance Taepodong-2, que a Coreia do Norte lançou em 5 de abril, em descumprimento a uma resolução do Conselho de Segurança (CS) das Nações Unidas.