Wadson Correia Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

Na noite deste sábado (05), um homicídio brutal aconteceu na cidade de Mata Grande, região sertaneja do estado. Desta vez, um homem de 43 anos, identificado por Erivânio Oliveira foi executado e logo em seguida o assassino ateou fogo ao seu corpo. A vítima se encontrava em cima de um moto Dafra vermelha quando foi ateado fogo.

De acordo com o sargento Jalves, a vítima trabalha com produtos de eletro eletrônicos, em Maceió sendo natural de Guarujá, no estado de São Paulo. A população com medo não conseguiu apagar o fogo que tomava conta de Erivânio, uma cena nunca vista, no bairro da Cohab. “Nunca vi algo parecido. Misericórdia”, contou um morador. Militares tiveram que usar os extintores das viaturas para apagar o fogo que consumia à vítima.

Através de denúncias o capitão Wiston da 3ª Cia, colheu informações que a vítima exerce também a função de pistoleiro e que tinha planejado executar o seu algoz na noite deste sábado, no entanto, o assassino chegou primeiro e o fez como vítima. O autor do crime fugiu com duas armas que estava na cintura de Erivânio de Oliveira.

A esposa da vítima esteve no local, chorava bastante e não colaborou com maiores informações para a polícia devido o choque ao ver o marido totalmente queimado. “Essa região é conhecida por seus problemas de drogas, assassinatos por motivos fúteis e outros.”, relatou o Sargento da Jalves.

O agente civil Aquino Japiassu falou que já existem suspeitos. "O delegado responsável pela investigação é Walter Cunha titular de Mata Grande. Está fácil para os acusados pelo crime serem presos", disse. O autor do crime fugiu numa moto por uma estrada vicinal. O Instituto Médico Legal de Arapiraca foi acionado para remover o corpo. 

Esclarecimento:
Familiares da vítima repudiam qualquer alegação ou argumentação que Erivânio Oliveira, era pistoleiro e/ou se dirigiu até a cidade de Mata Grande, no interior de Alagoas, com o objetivo de realizar ‘algum acerto de conta’. Segundo os familiares, a vítima era trabalhador e não tinha nenhuma relação com crime.