O Ministério Público de Santa Catarina denunciou dois argentinos pela morte de oito idosas após o acidente de um ônibus de turismo na BR-282, no último dia 19 de abril. O motorista Daniel Alberto Meza, 25 anos, e o proprietário do ônibus, o empresário Emilio Washington Casals, responderão na Justiça pelo crime de homicídio culposo, que é aquele praticado sem intenção.

 

De acordo com a promotora responsável pela denúncia, Vânia Lúcia Sangalli, os dois sabiam dos problemas mecânicos existentes no ônibus e mesmo assim teriam permitido a viagem de um grupo de idosas da Argentina. A perícia, realizada em Santa Catarina, constatou problemas como freio-motor inoperante, fixação dos bancos precária, falta de cintos de segurança e de autorização para fazer viagens ao exterior.

 

A promotoria também citou na denúncia o excesso de velocidade no momento do acidente. O tacógrafo indicou que o ônibus trafegava a 87 km/h quando despencou numa ribenceira no km 65 da BR. No trecho, bastante sinuoso e próximo ao município de Rancho Queimado, a velocidade máxima permitida é de 40 km/h.

 

A pena para os dois acusados, de acordo com a legislação brasileira, é de dois a quatro anos de detenção e suspensão da carteira de motorista. Como o crime foi cometido durante o exercício da profissão, conduzindo passageiros, a pena do motorista pode ser aumentada de um terço à metade, caso condenado.

 

O grupo de idosas argentinas que estava no ônibus retornava ao país vizinho após passar um final de semana na cidade de Balneário Camboriú.