“Alagoas possui potencial fantástico para o cultivo do eucalipto: água, solo e localização estratégica, a proximidade do porto de Maceió”, afirma Acelino Alfenas, especialista da Universidade Federal de Viçosa, em Minas Gerais. A afirmação foi feita nesta sexta-feira (27), durante o mini-curso realizado no auditório da Federação das Indústrias de Alagoas (Fiea), com a presença de empresários, produtores de cana, pecuaristas, técnicos agrícolas e gestores do governo de Alagoas.

Segundo Acelino Alfenas, o eucalipto possui diversas vantagens como a utilização da madeira para móveis, cerca, poste, serraria, carvão vegetal; geração de energia para a indústria de cerâmica e termelétrica, além da celulose e da fabricação de etanol. O pesquisador explica que há também grande diversidade de espécie da planta, que dependendo da tecnologia pode se adaptar a regiões diferentes, com exceção do solo com pedras.

As cidades visitadas pelos pesquisadores foram consideradas aptas para a instalação dos pontos de experimentos, que abrange as regiões da Zona da Mata, Agreste e Sertão. Serão distribuídas 50 espécies de eucaliptos nesses locais, entre clones e sementes, em junho deste ano. Um pesquisador da Universidade Federal de Viçosa voltará a Alagoas para acompanhar a implantação dos testes.

Além da grande expectativa de adaptação no estado de Alagoas, o eucalipto se apresenta como forte instrumento de desenvolvimento humano, de acordo com Acelino Alfenas. Considerando a utilização de um hectare, a atividade pecuarista gera sete postos de trabalho direto, já o eucalipto gera 50 diretos, além de movimentar uma cadeia produtiva com o transporte, insumos e atendimento a outros setores. “Nos locais que o cultivo foi implantado houve grande desenvolvimento econômico”, destaca o pesquisador.

Para o vice-presidente da Federação das Indústrias do Estado de Alagoas (Fiea), José Nogueira, todo o setor produtivo está entusiasmado por se tratar de mais uma opção viável para a economia do Estado, pela falta de madeira que há hoje no mercado e por oferecer várias aplicações. “Quando se faz a análise da produção e do valor final, percebe-se a grande lucratividade, além do benefício ambiental na recuperação de áreas degradadas”, afirma José Nogueira.

O superintendente do Desenvolvimento Regional da Secretaria do Desenvolvimento Econômico, Energia e Logística, Adelmo Martins, explica que a vinda dos pesquisadores mineiros, teve a finalidade de oferecer informações e orientação dos principais especialistas que se destacam nas pesquisas e teste para clones de eucalipto. “O Brasil é o país que mais se destaca nesta cultura, e no país os estados São Paulo, Minas Gerais e Bahia são os grandes produtores”, completa Adelmo.