O governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), defendeu ontem a aliança do PSDB com o PMDB para as eleições presidenciais de 2010. Ao negar a disposição de formar uma "chapa puro sangue" do PSDB na disputa, Aécio disse que os tucanos devem buscar apoio em outros partidos ao invés de escalar dois nomes da legenda na mesma chapa.

 

Aécio afirmou que "não existe acordo" para disputar como vice-presidente a chapa do governador de São Paulo, José Serra (PSDB), ao Palácio do Planalto. Na opinião do tucano, o PSDB deve realizar prévias para escolher qual será o candidato da legenda em 2010.

 

"O Serra é meu companheiro de partido, estaremos juntos nas próximas eleições. Acho que o momento da decisão não chegou. O processo para essa decisão, acredito eu, deve ser o da consulta mais ampla das bases partidárias [prévias]. Vamos estar unidos com os nossos aliados, e quem sabe outros aliados. Não numa campanha anti-Lula, mas numa campanha pós-Lula", afirmou.

 

Aécio negou a disposição de disputar a presidência pelo PMDB, apesar de reconhecer que tem "bom trânsito" dentro do partido. O governador disse acreditar que os peemedebistas vão fechar o apoio ao candidato do PSDB em 2010, mesmo que não integralmente.

 

"A questão de mudança de partido no Brasil é muito complexa. Eu me sinto confortável no PSDB, tenho tido militância importante no PSDB. O PMDB é um parceiro fundamental para a governabilidade de qualquer governo, mas um parceiro muito importante nas eleições. Se não estivermos juntos nas eleições com a totalidade do partido, pelo menos com boa parte do partido", concluiu.