Blog da Carol Fontan

O que é Felicidade para você?

 

Tenho visto muitas pessoas apostarem que sua felicidade está em um emprego melhor, em um corpo perfeito, carros e viagens, status de poder ou até mesmo depositar sua felicidade em alguém. Como também tenho presenciado algumas pessoas visivelmente apáticas se dizerem ser felizes porque alcançaram um objetivo que até então acreditavam que mudaria sua vida, e ao fazer alguns questionamentos especulando outras áreas de sua vida, cai àquela ficha que talvez não fosse só aquilo que lhe preencheria o vazio.

Não estou dizendo que o mundo está infeliz, só estou constatando que as pessoas buscam por algo subjetivo e que nem sabem o significado de ser feliz efetivamente. E se eu te perguntar: O que é ser feliz para você?

As pessoas depositam toda a sua esperança de ser feliz em um único sonho, e muitas vezes pouco se esforçam para que se torne realidade, e deposita a responsabilidade do fracasso como sendo a vontade de Deus, será mesmo que Deus quer que você se conforme com tudo que acontece ou não acontece em sua vida?

Se você está se questionando neste momento ou questionando as minhas palavras, acredite, é um bom sinal. Em algum momento da minha vida eu já me senti assim e foi essa autorreflexão que me alertou que não precisava ser assim.

Seguimos o fluxo de uma vida “Normal” rotulada pela sociedade, por  nossos pais e o ambiente em que crescemos e vivemos. Pode até ser comum, mas normal é voce viver uma vida abundante e feliz e se você não vive essa felicidade plena , isso não pode ser considerado normal.

Imagine o seguinte caso de uma vida normal. Um pai de família já contagiado e contaminado por esses estímulos negativos comunicados pelo mundo ao seu redor chega à casa exausto, cansado, estressado depois de dez horas de trabalho. Ao passar pela sala, um dos seus filhos que está ouvindo música acena para o pai apenas com um sutil levantar das sobrancelhas e nada mais. Na mesma hora, uma voz interna, chamada voz da consciência, questiona esse pai que acabara de chegar à casa dizendo: “É assim que o seu filho recebe você em casa depois de um dia inteiro de trabalho?” E o pai imediatamente responde à voz com um tom de gozação: “Jovens, jovens. Jovens são assim mesmo. Vivem cada um no próprio mundo. Isso é normal”. Depois de passar pelo filho, ele vai em direção a seu quarto e passa pela filha, que está atenta ao seu celular e não o cumprimenta. E novamente a voz interrompe seu caminhar e pergunta: “E sua filha, que não é mais tão jovem assim, não vai te cumprimentar com uma palavra ou um abraço? E novamente ele responde: “Filhos são assim mesmo”. Cada um no seu mundo. Isso é normal”. Então, no corredor da casa, ele finalmente trava o primeiro diálogo com alguém. Sua esposa, sem olhar para ele e sem entusiasmo nenhum, pergunta: “Trouxe o pão?” Dessa vez a voz fala mais forte e inquisitiva: “Nem a sua esposa se levanta para te recepcionar depois de um dia de trabalho?” E com uma resposta pronta ele fala: “São vinte anos de casamento. Você acha que as esposas vão receber seus maridos na porta com um beijinho, dizendo eu te amo depois de anos de casados? A vida é assim mesmo. Isso é normal!”. Ao passar por toda a sua família ele vai tomar banho. Ao sair do banheiro, ele se dirige para a cozinha, tira seu prato do forno, senta-se sozinho à mesa e começa sua refeição silenciosa, se não fosse pelo barulho dos carros que vem da janela. Novamente a voz diz: “Você vai jantar só? Toda a sua família está em casa e você vai jantar sozinho?”. Ele novamente responde: “Cada um tem sua vida, seus afazeres. Você sabe que é assim mesmo. As famílias hoje em dia são assim. Isso é normal”. Ao acabar o jantar, ele se senta à mesa da sala e começa a separar as contas do mês que vai pagar e as que ele não vai conseguir pagar. A voz reaparece e pergunta com um ar de cobrança: “Você vai deixar de pagar todas essas contas neste mês?” E novamente, com uma resposta pré-fabricada ele interrompe a voz e rebate dizendo: “Na vida que levamos hoje, atrasar uma conta ou outra é normal!”. Entretanto, a jornada desse pai de família na sua casa não para por aí. Depois de separar as contas a ser pagas e as que não o serão, ele vai para o seu quarto, deita-se na cama, liga a TV e assiste a um filme de ação só para relaxar, enquanto sua esposa está vidrada em uma rede social. Agora, em tom de desespero, a voz o questiona: “Você não vai conversar sobre o seu dia com sua esposa, fazer carinho nela ou fazer amor?”. E de forma ríspida o homem responde à voz que questiona toda a sua vida: “Você não percebe, que temos vinte anos de casados, que é assim mesmo? Todo mundo vive assim! E pela milésima vez: Isso é normal! Minha esposa gosta de rede social e eu gosto de filmes de ação, e pronto”. Passada uma hora, o filme de ação se transformou em filme de pornografia, a esposa já está dormindo e ele, mesmo exausto, não sente sono, tenta dormir, mas não consegue. Desliga a TV e permanece com os olhos abertos. Sem conseguir relaxar, a alternativa é tomar um “remédio para dormir”. Ele toma um comprimido, que não faz efeito. Depois de tomar o segundo comprimido, a voz já cansada de seu dono e seu estilo de vida pergunta mais uma vez: “Vai tomar dois comprimidos para dormir?”. E também cansado de ter sua vida confrontada por essa voz que não lhe dá trégua, ele responde pesadamente: “Quem não toma remédio para dormir? Hoje em dia todo mundo toma. Isso é normal”. Então, uma hora depois de tomar o segundo comprimido o sono vem. Um sono superficial, respiração pesada e uma apneia noturna assustadora. O celular desperta indicando 6h30 da manhã. Ele levanta cansado e atrasado para ir ao trabalho e sai apressado sem se despedir dos filhos e da esposa. E a voz não perdoa e pergunta: “Você não vai sair sem se despedir dos seus filhos e da sua esposa, vai?”. Ao que ele responde rispidamente: “Você não vê que estou atrasado, que não tenho tempo para isso? Nesse mundo corrido, ninguém tem tempo para essas besteiras. É assim mesmo, isso é normal?”. E antes de chegar ao trabalho ele já discutiu duas vezes no trânsito, sem contar os sinais obscenos que fez para outro motorista que tomou a sua frente. Desta vez, a voz se calou, não perguntou nem questionou. Apenas deixou ele seguir seu caminho de todos os dias. A voz da consciência se calou, foi vencida. E no lugar dela, surge uma nova voz. Uma voz que faz piada com a própria desgraça. Uma voz negativa, irônica e justificadora. Ao chegar ao seu trabalho, estressado e zangado, ele parou à porta, suspirou, respirou fundo e de cabeça baixa entrou. Entrou sem falar com ninguém, sem olhar para ninguém, sem cumprimentar seus colegas e foi direto para sua sala. Afinal, ele ia passar as próximas dez horas fazendo o que não queria fazer, com pessoas com quem não gostaria de estar e recebendo bem menos do que se achava merecedor. E antes que a voz da consciência o trouxesse para a sua dura realidade numa tentativa de acordá-lo para as boas possibilidades da vida, veio a voz pessimista e negativa do senso comum. E, de forma irônica e acusadora, a voz disse: “Isso é normal. Quem é que gosta do seu trabalho? A vida é assim mesmo. Tem de aguentar essa droga de trabalho chato enquanto não aparece nada melhor. Família para sustentar e contas a pagar. Isso é normal”. Agora era uma voz negativa, pessimista que falava. E tudo o que ela fazia era dizer que aquilo tudo era normal. Ao final do expediente, no começo da noite, esse homem entra no seu carro, pega os mesmos engarrafamentos e chega à sua casa. Ali, parado diante da porta, olha para baixo, respira fundo e entra. E como quem assiste ao mesmo DVD, o filme se repete mais uma vez. Mais um dia em que aquele homem vive a própria e triste rotina. Um homem que na verdade não está vivendo e sim sobrevivendo à própria vida, agindo muito mais como coadjuvante do que como o autor da história da sua vida. E por isso aceitando qualquer papel disponível. Você conhece alguém que de uma maneira ou outra tem a vida parecida com a do personagem acima? Você conhece alguém que vive uma vida precária ou limitada e talvez nem se dê conta disso? Você conhece alguém cuja voz da consciência fala, grita, adverte, aconselha e implora por mudanças até o ponto de se calar? Uma coisa é certa e posso lhe garantir: NADA DISSO É NORMAL.

Assim que li esse trecho escrito em um livro (O Poder da Ação) fiquei muito impactada com tamanha e dolorosa realidade. Se isso também fez sentido para você, te convido a conhecer outro de tipo de vida que é totalmente possível e não é uma utopia. Que fique claro que não estamos falando de uma vida sem problemas, esses sempre irão existir o que diferencia é a maneira com que você lida e encara cada um deles.

É possível ter uma vida equilibrada e plena em todos os pilares que a compõe, e o primeiro passo é você acordar para sua realidade atual e ter clareza de onde você quer chegar. Analisar os seus porquês, porque que é importante para você passar em um concurso? Porque é importante casar e ter filhos? Por trás dos porquês estão os reais significados. E se essas realizações ainda assim fizerem sentido para você, siga a diante, pois agora você tem uma direção do que realmente almeja e não está sendo levado pelo fluxo das imposições sociais.

Já aconteceu a você de se olhar e não gostar daqueles quilos a mais? De observar seu momento profissional somente com frustação? De se sentir desconectado dos seus familiares, e dos seus amigos? Se você acha que essas são situações normais, pense de novo!

NÃO EXISTE OUTRA OPÇÃO. ESTÁ EM SUAS MAOS REESCREVER SEU FUTURO.

 

Sua Coach Carol Fontan 

    @coachfontan

 

 

Fonte de inspiração: trecho do livro o poder da ação. 

Por que precisamos aprender a lidar com pessoas?

Em algum momento da sua vida, você deve ter ouvido á frase: Deixe seus problemas em casa e exerça o seu trabalho. Como se fosse possível paralisar um sentimento provocado por algum tipo de acontecimento para executar uma tarefa profissional como se nada estivesse acontecendo, e ao sair do trabalho você pode voltar a sentir.

Será que alguém realmente chegou a acreditar que isso fosse possível? Ou essa era uma maneira de dizer: Não estou nem aí para o que você está sentindo ou passando, o que realmente me importa é que você cumpra com seu dever?

Uma pesquisa feita em 2015 pelo International Stress Management Association (Isma Brasil) mostrou que 63%dos casos de insatisfação com o trabalho são atribuídos a problemas de relacionamentos. Diante de noticias como esta é desafiador compreender a razão de não se investir no desenvolvimento humano.

Vejo muitas empresas investirem em tecnologia, infraestrutura, avaliação de desempenho e  em técnicas de vendas. Porém, não se questionam o porquê de um funcionário que é teoricamente capacitado não cumprir com as mais simples atividades do cotidiano, ou até mesmo começar em um ritmo admirável e com pouco tempo diminuir seu rendimento e assim gerar a insatisfação. Como também vejo muitas pessoas trocarem de emprego com muita frequência e sempre culpar as empresas por sua insatisfação crônica.

O fato é que estamos acostumados a olhar para o que está fora e não olhamos para dentro de nós, é muito mais fácil culpar os outros e arrumar uma desculpa perfeita para assim aceitar esses acontecimentos como “normal”. Dessa forma não se faz necessário mudar para melhorar, é preferível continuar em uma conhecida zona de conforto.

Pensa comigo, como seriam seus resultados pessoais e profissionais se você pudesse compreender melhor as pessoas que o cercam, entender o que as motiva a agir e ainda se soubesse como se comunicar com elas de maneira mais profunda e eficaz?

Na liderança empresarial ou na educação dos filhos, no casamento ou na seleção de funcionários, o fato é que todos nós temos algum motivo pelo qual queremos decifrar e entender o outro. No entanto a maior parte das pessoas está perdida, criando expectativas irreais sobre o comportamento das outras, simplesmente por não conseguir entende-las.

 Será que, se aprendêssemos a ver e a ouvir melhor outras pessoas, compreendendo-as e percebendo suas dificuldades, nossa vida teria mais sentido?  Pense em suas relações pessoais ou na vida familiar- será que seriamos mais felizes se percebêssemos os limites do outro? Ou se soubéssemos quando estamos sufocando o outro com nossas ansiedades? Será que não haveria menos desentendimentos entre irmãos se pudéssemos aceitar com facilidade diferentes pontos de vista? E as equipes de trabalho, por exemplo: será que poderiam ser mais harmoniosas e produtivas se seus membros deixassem seus egos e vaidades de lado e conversassem mais pensando no todo e não só no exclusivo “eu” individual?

Fico a me perguntar como pode um líder desenvolver as capacidades de sua equipe se não conhece seus próprios limites e suas potencialidades?

Entender isso é fundamental para o êxito do processo. Não há como conhecer de fato o outro se não nos dispomos em primeiro lugar a nos avaliar e a pensar sobre nós mesmos, sobre o que buscamos e esperamos de nós. Para entender e decifrar o outro, você precisa primeiro entender e decifrar a si mesmo. Isso é autoconhecimento: a consciência plena de quem você é.

Pesquisadores afirmam que em 2029 teremos computadores quase tão inteligentes quanto aos seres humanos, com a chegada da inteligência artificial o que vai diferir o ser humano de um robô será as habilidades comportamentais.

Apenas 2% da população brasileira investem tempo e dinheiro em desenvolvimento pessoal, e se você chegou até aqui, te parabenizo por isso. Esse ato mostra que você está no caminho oposto da grande massa e esse é um dos requisitos de pessoas bem sucedidas.

E esse é meu convite para você leitor, que você seja capaz de se compreender, conhecendo-se melhor e até mesmo se reinventando para que possa realizar seus projetos e sonhos. Não importa se você está em casa, na empresa ou no convívio com amigos. A única maneira de contribuir de modo efetivo para o desenvolvimento das pessoas que estão ao seu lado é a partir do próprio autoconhecimento. Quanto mais você se conhece, mais você cresce.

Carol Fontan, sua coach. 

@coachfontan

 

Fonte: Trechos do livro "Decifre e influencie pessoas"

 

A armadilha da auto sabotagem

A auto sabotagem refere-se aos comportamentos onde criamos problemas que interferem em nosso objetivo. Com pensamentos negativos que fazem com que de forma inconsciente nossas ações vão a sentidos opostos aos nossos objetivos.

Os sabotadores são um fenômeno universal. A questão não é se você os tem, mas quais você tem e o quão forte é. A mente abriga personagens que prejudicam ativamente nossa felicidade e nosso sucesso, além de provocar a maior parte dos obstáculos na vida.

Pense bem. Por que a maior parte das resoluções de ano novo é deixada de lado ano após ano? Por que a maior parte das pessoas que fazem dieta sucumbe ao efeito sanfona? Por que aquela voz irritante e ansiosa em nossa cabeça vive voltando para nos torturar quando estamos tentando dormir?  Por que nossa felicidade plena é tão fugaz depois de alcançarmos o que achávamos que traria felicidade duradoura? Por que novas habilidades de liderança adquirida em workshops em pouco tempo dão lugar a velhos hábitos?

A Razão de tantas de nossas tentativas de aumentar o sucesso ou a felicidade resultarem em fiasco é que nós nos sabotamos. Mas precisamente, nossa própria mente nos sabota.

Sua Mente é sua melhor amiga. Mas também é sua pior inimiga. Sem que você perceba completamente, “Sabotadores” não detectados na sua mente provocam a maior parte dos empecilhos na sua vida, e as consequências são enormes.

Apenas 20% dos indivíduos e equipes alcançam seu verdadeiro potencial. O resto de nós desperdiça muito tempo e muita energia vital.

O papel inicial dos sabotadores é auxiliar na sobrevivência durante o período da infância, ajudam nos conflitos de identidade , transição das fases, insegurança , medo do desconhecido.

O exemplo disso é uma criança que sofre com a ausência constante dos pais, que é comparada ao seu irmãozinho ou recebe muitas criticas relacionada ao seu comportamento. Desenvolve os sentimentos de Abandono, rejeição e não pertencimento. Ao chegar à fase adulta continua com sentimentos de inadequação, medo de se expor publicamente, medo da rejeição e criticas. Resultando em disfunções emocionais. È onde agem os sabotadores que vão te impedir de progredir, de evoluir, de viver novas experiências. Sempre o mantendo na zona de conforto, no sofrimento já conhecido, fazendo com que você perca as oportunidades da vida por medo de se arriscar, afetando profundamente a sua relação com a autoimagem positiva, e isso independe da aparência física, é correlacionado as experiências vividas na infância.

A autoestima é um equilíbrio entre diferentes aspectos, é uma moeda frágil e instável que aumenta quando respeitamos nossos próprios valores e diminui toda vez que o nosso comportamento se contradiz.

È uma das fontes essenciais da alegria de viver, pois permite que você se aceite, ame a si mesmo e possa amar os outros. Ela pode ser ampliada ao longo da vida. Por isso recomendo a você que inicie imediatamente um processo delicioso pela busca do autoconhecimento, a consciência liberta e te impulsiona a buscar novos caminhos. È um encontro com você.

 

Fonte: Inteligência positiva (livro)

AFINAL, O QUE É COACHING?

105014aa fd02 41b6 aeb2 541868f94b4e

Você já deve ter ouvido falar, mas provavelmente pode ter a mesma dúvida que várias pessoas. Por esta razão optei em ser o primeiro tema abordado por mim neste portal. Para que possamos construir um bom relacionamento, você precisa entender como funciona o trabalho de um Coach e  de que forma eu posso contribuir com o seu crescimento através dos diversos temas que abordaremos nas próximas oportunidades.

Sempre que vou resolver alguma questão que necessite de informações pessoais como endereço, telefone e profissão, acontece da seguinte forma:

Qual a sua profissão?

Sou coach.

O quê? O que é isso? Como se escreve?

Essa é a pergunta que mais ouço, sempre com um ar de surpresa e indagação.

Comecei a perceber que, apesar de muitas pessoas acharem que a profissão é uma“modinha”, poucos sabem o que efetivamente quer dizer a palavra Coaching, e o que faz um profissional de Coach. Então vamos entender melhor cada situação.

O coaching tradicional é um processo orientado a ação focada em resultados específicos. Este movimento é promovido pelo relacionamento de total confiança entre o profissional treinador (coach) e o seu cliente (coachee). O coaching Tradicional inclui: avaliações, exames de valores, motivação, definição de metas bem elaboradas, tudo isso amparado por um plano de ação muito bem construído. O coaching é voltado para desenvolver competências e remover bloqueios para que o resultado seja alcançado de forma constante, consciente e sustentável na vida pessoal e profissional.

Já o coaching integral sistêmico é a ampliação do coaching tradicional, usando todo o escopo ferramental e conceitual do coaching tradicional, acrescido de ferramentas, conceitos e uma abordagem “emocional” para estabelecer /restaurar/construir as crenças que possibilitem a realização das metas e objetivos estabelecidos pelo cliente. Tem o objetivo de diminuir  os sintomas de bloqueios, entraves emocionais e traumas profundos que impedem o cliente de conquistar seus objetivos e a superação de limitações emocionais.


 

OS RAMOS DA CIÊNCIA QUE FORAM USADOS

PARA ESTRUTURAR O COACHING INTEGRAL

SISTÊMICO:

 

Psicologia Positiva: psique humana voltada para alta performance

Sociologia: relações sociais

Antropologia: manifestação e comportamentos humanos

Teoria dos sistemas: tudo está ligado e interdependente

Filosofia: compreensão critica e racional dos princípios humanos

Física Quântica: criação da realidade a partir do observador

Pedagogia: estrutura do ensino e do aprendizado

Administração: compreensão dos princípios de liderança organizacional

Ética: compreensão dos valores na construção do caráter.

 

A abrangência e total aceitação do coaching se deram após a década de 1970 com a publicação do livro The inner game of tennis (O jogo interior de tênis), escrito pelo treinador profissional de tênis, Timothy Gallwey e trazido para o meio empresarial pelo consultor John Whitmore. Apesar de o livro ter sido escrito para treinadores e atletas de tênis, a abordagem do tema foi completa e usada em todas as áreas do desempenho e performance humana.

Coaching é um processo de alcance da excelência que busca potencializar o poder pessoal de cada um.  È  a arte de sonhar e vivenciar seus maiores sonhos focada em ações e resultados.

 

Um processo de coaching é dividido por sessões semanais, que podem ser individuais ou em grupo. Em empresas pode ser feito para desenvolvimento de lideres, por exemplo, e equipes para o alcance de uma melhor performance. Na área pessoal pode ser feito para o alcance de autoconhecimento, tomada de decisões, competências de inteligência emocional , realização de objetivos, disfunções e transtornos emocionais.

Agora você já sabe o que é Coaching!

Vida e Carreira no portal Cada Minuto

 

Caros leitores,

É com muito orgulho que início um novo ciclo da minha vida profissional aqui no Cada Minuto, um veículo de comunicação respeitado por leitores que formam sua opinião por meio de informações sérias e de grande relevância para Alagoas e todo nordeste.

Por buscar incansavelmente o desenvolvimento humano e a potencialização de ideias e ações, enxergo esta plataforma como um canal crucial para que o público geral possa começar a entender melhor seu propósito de vida de acordo com a evolução das publicações.

O dinamismo da informação nesta plataforma e a responsabilidade de trazer abordagens sérias e de grande valor ao leitor, abrem um novo espaço para o processo de construção na minha carreira e na minha relação com diversos públicos, que buscam um crescimento pessoal, independente da área de atuação e, como isso dialoga com seu propósito de vida. Sou Carol Fontan e acredito muito na minha missão e nesse novo ciclo que iniciaremos juntos por aqui. Certamente será uma experiência enriquecedora para mim e para você leitor. A partir de agora vamos iniciar uma grande viagem em busca do entendimento interior.

Sou Master Coach Integral Sistêmico formada pela Febracis e certificada pela Flórida Christian University. Sou graduada em Marketing de empresas e pós-graduada em gestão de pessoas. Com quase duas décadas de experiência desenvolvi um programa que utiliza metodologia e ferramentas de Coaching, com o único objetivo de promover a evolução pessoal e transformar grandes negócios. Acredito que o alinhamento entre o pilar emocional e o pilar profissional somam fortemente para a evolução do potencial de cada um. Espero contribuir para uma nova forma do leitor enxergar seus desafios e suas ações no mundo contemporâneo. Mãos à obra!

 

Comercial (82) 3313.6040 (82) 99812.2189 comercial@cadaminuto.com.br
Redação (82) 3313.2162 (82) 99664.2221 cadaminutoalagoas@hotmail.com