De nada adiantaram os protestos dos prefeitos na AMA, sobre a negociação do débito do INSS que segundo eles ainda não tinha acontecido depois de ter sido prometido pelo presidente Lula.
 
É que o presidente da República que se encontra agora a tarde em várias cidades do interior de Pernambuco comunicou por telefone ao senador Renan Calheiros, líder do PMDB, que foi publicado hoje no Diário Oficial da União o decreto que permite aos municipios brasileiros renegociarem suas dívidas relativas à contribuição para a Previdência Social, vencida até 31 de janeiro de 2009.
 
As contribuições incidentes sobre remuneração creditada ao segurado poderão ser pagos em 60meses (5 anos) ou até 240meses (20 anos ) a depender de contribuição.
 
Renan comentou que essa decisão chegou agora, mas o presidente Lula havia prometido  refazer o Programa de Recuperação Fiscal(Refis)para os municipios, mas a medida não havia sido oficializada. O senador vai agora informar ao presidente da AMA,Luciano Barbosa da decisão do presidente Lula.

Prefeitos iriam fechar prefeituras

Na manhã de hoje os prefeitos reunidos na sede da AMA, decidiram que irão paralisar as prefeituras na próxima quarta feira (01/04), coincidência no dia da mentira, em sinal de protesto da queda do FPM e a cobrança do INSS.

Segundo o presidente da AMA, prefeito Luciano Barbosa(PMDB) será elaborado um documento que vai ser entregue na Receita Federal em Alagoas mostrando a crise financeira que se abateu nas prefeituras.

Barbosa deseja fazer uma jornada de mobilização municipal, pedindo ao Congresso Nacional a reforma tributária e medidas compensatórias para as prefeituras terem condições de executarem suas administrações.

O prefeito de Cacimbinhas, Roberto Wanderley (PMDB), disse que desde 1988, ano da Constituição Federal as prefeituras começaram a perder seus recursos  virando refém do governo federal. Ele disse ainda, que o presidente Lula “não só precisa salvar os banqueiros, mas as prefeituras.”

Já o prefeito de Quebrangulo, Marcelo Lima(PMDB) protestou dizendo: “Não conheço um bom administrador sem recursos”, enquanto  o prefeito de Viçosa, Flaubert Torres(PTB) pediu uma melhor participação da bancada federal. Torres disse: “Precisamos saber quais os deputados federais vão entrar em nossa luta, porque as eleições vem por aí.”

Por sugestão dos prefeitos, na próxima segunda feira novamente será convocada a bancada federal para participar deste manifesto dos prefeitos. A decisão de fazer a paralisação na quarta feira, segundo o prefeito Luciano Barbosa “É para mostrar que não estaremos fazendo uma movimentação para virar um feriadão.”