Foto: Minuto Arapiraca / Arquivo B5b1f336 7c46 4935 85da f41b700f2580 Hospital Regional de Arapiraca

Uma agressão sofrida por uma técnica de enfermagem está sendo denunciada pelo Sindicato dos Auxiliares e Técnicos de Enfermagem de Alagoas (Sateal). O caso envolve um médico e ocorreu dentro do Hospital Regional de Arapiraca, que abriu sindicância interna para apurar os fatos.

A funcionária da unidade de saúde relatou em Boletim de Ocorrência que levou tapas na cara, agressão feita por um médico plantonista. Em seu relato, a técnica de enfermagem conta que levou um paciente da Pediatria que estava com solicitação de Raio X para fazer o exame. Quando o médico plantonista, cuja identidade também será preservada, chegou perguntando se tinha pacientes para avaliação, a técnica respondeu que sim e que tinha levado o paciente para fazer o Raio X.

Neste momento, o médico disse que Raio X não pode diagnosticar apendicite e que o paciente teria de fazer uma ultrassom. Então, a técnica de enfermagem disse que a família do paciente é pobre e não teria dinheiro para pagar pelo exame de ultrassom. Neste instante, o médico se alterou e deu um tapa no rosto da técnica de enfermagem e a perguntou: “Você quer que eu tire do meu salário?”, e deu outro tapa no rosto da técnica de enfermagem, segundo o que está descrito no B.O. 
 
Os nomes da técnica enfermagem e o médico estão sendo preservados, mas o presidente do sindicato, Mario Jorge Filho, afirma que a vítima passou
dois dias internada lá mesmo no Hospital Regional de Arapiraca, que deu toda assistência e lhe concedeu licença de 10 dias de repouso, para que ela pudesse se recuperar do trauma emocional que sofreu. O médico foi afastado de suas atividades no Hospital Regional de Arapiraca. 

Mário Jorge assegurou que o Sateal está prestando toda assistência jurídica à técnica de enfermagem e destacou que o médico agressor já tem histórico de agressão verbal e desrespeito aos colegas de trabalho. Ele ressaltou que o Sateal repudia todo e qualquer tipo de agressão, seja física ou verbal, e alertou às instituições de saúde que estejam sempre vigilantes para que esse tipo de abuso não aconteça. 

“Caso esse tipo de violência venha a acontecer, é preciso que a vítima denuncie à polícia e também às instituições como o do Sateal, o Coren de Alagoas, o Ministério Público Estadual de Alagoas ou o Ministério do Trabalho”, apontou Mário Jorge. 

A Superintendência Médica da Sociedade Beneficente Nossa Senhora do Bom Conselho, entidade mantenedora do Hospital Regional de Arapiraca, instaurou uma Sindicância Interna para apurar os fatos, que deve ser concluída nas próximas semanas.

*Com informações do JaéNotícia.