9a47b9d4 8e15 42bc a506 e7a1c54e1795

Segundo representantes da religião de matriz africana do estado do Rio de Janeiro, de  forma abusiva e arbitrária o candidato ao Senado, o deputado federal  Miro Teixeira barrou a candidatura na disputa eleitoral do Ogan Marcelo Monteiro, ao Senado pela coligação “A Força que vem do Povo” (PODE, REDE, PR e PPL) e o  vereador e ex-prefeito do Rio de Janeiro César Maia (DEM)  impediu a candidatura do Babalaô  Ivanir dos Santos (PPS).

Os representantes afirmam, ainda, que Miro quer ser o único candidato da coligação, que comanda composta da REDE, PODEMOS E PPL .

O impedimento  causou revolta entre membros de diversas representações negras, dentre eles, dos Povos Tradicionais de Matrizes Africanas – (Brasil), que se posicionaram:

“Apesar de não encontrar uma explicação plausível, gostaríamos de salientar que, numa jogada autoritária, o também candidato ao senado Miro Teixeira – de olho nos currais eleitorais das igrejas, que podem elegê-lo com folga – impediu que o Ogan Marcelo pleiteasse sua candidatura para disputar uma das vagas ao Senado nas próximas eleições. A pré-candidatura ao Senado havia sido deferida pelo Partido Pátria Livre este ano, e vinha crescendo em todas as regiões do Estado do Rio de Janeiro.”

Segundo  o Babalaô  Ivanir dos Santos: “César Maia (DEM) acha que disputa o segundo voto de Flávio Bolsonaro com Arolde de Oliveira e Chico Alencar e o Ivanir receberia o segundo voto de Chico e toda esquerda. 

Para eliminar essa possibilidade, eles resolveram lançar Aspásia Camargo, com poucas chances de vitória o que garantiria a eleição dele. "Precisamos denunciar este tipo de crime contra a democracia e lutar para que as minorias sejam representadas na política"
, declarou Ivanir indignado.
 

E os Povos Tradicionais de Matrizes Africanas, questionam: “A quem interessa impedir que um representante dos terreiros de Candomblé do país inteiro seja candidato? Esta é a pergunta que devemos nos fazer para todos os setores da sociedade, comprometidos com a defesa dos Direitos das minorias e das classes populares. Exigimos respeito. Este não é o tratamento que os partidos políticos que nos querem como seus quadros devem"

 O Fórum como repúdio , lançou uma Carta aberta aos Povos Tradicionais e aos Defensores dos Direitos Humanos – Brasil e América Latina