C0c05632 83ec 4001 85fb 45e0b48f9e45

O secretário de Agricultura, Meio Ambiente e Recursos Hídricos de Pão de Açúcar, Arnaldo Mendes, representou o município em um encontro realizado pela Associação dos Municípios Alagoanos (AMA) na manhã desta segunda-feira, 16 de julho, em sua sede, em Maceió. 

O debate desta semana foi voltado para a atualização de documentos relacionados ao projeto dos governos estadual e federal, que oferta às cidades em situação emergencial de seca, o abastecimento de água feito pelos carros-pipas.  

Arnaldo e Issac Pereira, coordenador da Defesa Civil de Pão de Açúcar, acompanhado por técnicos e coordenadores de outros municípios e a Defesa Civil Estadual realizaram um mutirão para atualizar estes documentos, bem como a reformulação do decreto – já vencido -, que reconheceu 37 cidades em situação de calamidade pública por conta da estiagem. 

Segundo o secretário de Agricultura de Pão de Açúcar, de fato o volume de chuvas diminuiu em toda Alagoas. “Graças ao trabalho do prefeito Flávio Almeida, nosso município tem passado por essa fase bem. Hoje temos nove caminhões tanques, o carro-pipa, levando água para toda zona rural. Precisamos fazer mais e, com a ajuda no Governo de Estado e do Exército Brasileiro, continuaremos entregando esse líquido precioso para as famílias mais necessitadas”, frisou. 

Em sua fala durante a reunião, Hugo Wanderley, presidente da AMA e prefeito de Cacimbinhas, contou que está preocupado com a situação e disse que a Operação Pipa é fundamental para que a população tenha água potável: “As prefeituras estão no limite financeiro e não têm mais como comprometer recursos para o abastecimento”.

O mutirão é realizado semestralmente pela AMA para que o abastecimento não seja interrompido nos municípios que fazem parte do chamado polígono da seca. A assessora Técnica, Margarete Bulhões disse que a maioria das cidades não tem água na zona rural. Com a atualização dos documentos, a Defesa Civil Estadual encaminhará a solicitação para que o governador Renan Filho reconheça a emergência.

As gestões que não enviaram seus técnicos para participar do encontro, podem urgentemente procurar a Associação ou a Defesa Civil para garantir os prazos.