Cortesia 8a2e07d4 6404 499e a7fa 308323cc4bd7 Neto Rodrigues

O medo da balança é uma realidade de muitas pessoas que sofrem com o excesso de peso. Esse caso se agrava através dos veículos midiáticos que impõem um padrão de beleza que cada vez mais fica distante da realidade das pessoas. Isso ocorre, principalmente, por meio das redes sociais, que propagam e disseminam o dia-a-dia de pessoas famosas sem considerarem as características e individualidades de cada um.

É de senso comum que manter o corpo ativo melhora o humor, a produtividade, a disposição, a qualidade do sono, o intestino e o organismo de uma forma em geral. Contudo, a divulgação por parte da mídia de um corpo perfeito pode ocasionar uma demanda apenas estética, e não pelo bem estar físico.

A idéia de um corpo perfeito faz com que as pessoas recorram a diferentes formas de alcance. Esses métodos vão desde dietas até exercícios mirabolantes e a utilização de substâncias que afetam a saúde do praticante de atividades físicas.

Pensando nisso, a reportagem do CadaMinuto decidiu fazer uma matéria especial que objetiva responder à seguinte questão: até onde a busca pelo corpo perfeito pode ser saudável e de que forma a mídia pode influenciar na decisão por uma mudança de hábitos físicos e alimentares?

Os riscos da busca pelo corpo midiático

Diariamente, a mídia nos joga uma enxurrada de informações. Uma destas é a de um corpo apresentado pela mídia, o qual não é um corpo real, do dia a dia, mas sim um corpo imaginário, idealizado. A partir disso, as pessoas procuram um método que as façam chegar àquele patamar. Um dos métodos mais procurados é o exercício físico e a reeducação alimentar.

De acordo com o educador físico, Emanuel Costa, as pessoas que buscam os exercícios físicos priorizam melhorar a parte estética, como o corpo de uma forma geral. No caso, emagrecer, definir a musculatura, entre outros. Normalmente, os homens priorizam a parte superior do corpo, já as mulheres priorizam a parte inferior, incluindo o abdômen.

Emanuel ainda destaca que é preciso ter o acompanhamento de um professor formado pelo Conselho Regional de Educação Física (CREF).

Investir em uma atividade física de maneira incorreta pode causar lesões na coluna a curto, médio e longo prazo. As pessoas precisam se conscientizar que é necessário ser orientadas por profissionais e não por estagiários ou terceiros. Um exemplo é quando o aluno passa a se exercitar por conta própria ou com uma má orientação, principalmente por professores não formados.

O culto ao corpo é promovido através da mídia, passando por todas as classes sociais e faixas etárias. A preocupação com a saúde e o bem estar físico deu lugar às preocupações estéticas.

Emanuel afirma que essa busca pelo corpo perfeito é complicada porque as pessoas não priorizam a saúde, mas sim a estética. As pessoas procuram recursos ilícitos, como o uso de anabolizantes para ficar bonito esteticamente.

Infelizmente, isso afeta bastante a saúde em longo prazo em que é possível desenvolver câncer, impotência sexual, estresse e, dependendo do caso, sofrer a perda de algum membro do corpo.

O público mais afetado midiaticamente é o público adolescente, através de corpos estereotipados. De acordo com a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, estima-se que cerca de 130 mil crianças e adolescentes, no ano de 2009, recorreram às cirurgias plásticas.

Um dos grandes problemas que a maioria das pessoas que recorrem aos exercícios físicos apresenta é o desejo do imediatismo. Elas anseiam pelo resultado rápido e não vêem a prática de atividades como algo a ser trabalhado ao longo do tempo e aos poucos. Isso acaba resultando em uma procura de outros meios, como suplementos, anabolizantes, dentre outros.

Atividade física em alta

Segundo Emanuel, a época que os alunos são mais frequentes nas academias é quando se aproxima o verão, por volta do mês de janeiro, pré carnaval. As pessoas acham que em um, dois ou três meses irão modificar hábitos de quase um ano, o que não é verdade, já que é preciso ter continuidade e dar estímulos frequentes ao corpo.

Por outro lado, a época em que há menor adesão é no pós-carnaval, quando o verão está acabando e as pessoas estão de férias, possuindo uma disponibilidade maior para outras atividades que não a academia. Também quando se aproxima o inverno, em que as pessoas não têm tanta coragem pra acordar cedo e se exercitar.

O papel do educador físico quando procurado pelo aluno para uma iniciação a atividade física é de orientá-lo de acordo com suas características, limitações e potencialidades. Assim, ele buscará a melhor prática que sinta prazer em realizar. Também é importante a realização de uma avaliação física para a colheita de dados, como seu histórico físico. Já que o papel da mídia é complicado em relação aos exercícios físicos porque ela massifica, passa informações que não são verdadeiras.

“Muitas celebridades se exercitam e as pessoas querem se espelhar, mas acabam usando recursos ilícitos. Enquanto isso, esses famosos têm acompanhamento de nutricionista, médico, fisiologista, fisioterapeuta, entre outros. E a maioria da população não tem acesso a esses profissionais. As redes sociais propagam uma imagem que fazem as pessoas quererem reproduzir sem levar em consideração as suas características e individualidades”, afirma o professor.

Por isso é fundamental um educador físico presente no dia a dia dos alunos para salientar sobre a importância de manter um compromisso com o próprio corpo, sabendo suas limitações. A educação sobre o corpo deve surgir já nas escolas, afastando o indivíduo dos padrões estéticos. É necessário perceber que o corpo ideal não é aquele magro e definido que a mídia impõe, mas sim aquele que nos faça sentir bem.

Foco na alimentação

A biomédica esteta e coach em emagrecimento, Anne Lessa, de 27 anos, afirma que mesmo parecendo clichê, uma boa alimentação reunida com a atividade física ainda continuam sendo a forma mais saudável de perder peso. “A alimentação é 70% a 80% do processo. Não adianta treinar sete vezes por semana e não ter uma alimentação adequada [sim, adequada] porque não basta ser saudável, tem que ser adequada ao seu objetivo, seja ele perder peso ou gordura, ganhar massa, entre outros”, afirma Anne.

Anne auxilia as pessoas na busca por uma melhora na saúde e, consequentemente o ganho ou perda de peso. Entretanto, o auxílio não fica apenas no lado profissional, mas também no pessoal. A biomédica, considerada ex-obesa, chegou a eliminar 30 kg em nove meses. Anne explica o que a motivou e como conseguiu alcançar sua meta.

“Minha mudança de vida partiu exclusivamente de mim. Eu queria saúde! Eu só tinha 22 anos e não conseguia subir dois andares de escadas sem sentir que o coração ia explodir. Tenho histórico de obesidade desde a infância. Já fui a diversos especialistas, até emagrecia, mas ganhava tudo de volta. Até que um dia acordei decidida a mudar de vida. Então, mudei meus hábitos aos poucos e, hoje, tenho plena consciência do que é sentir fome e o que é ter vontade de comer. Isso a gente aprende se ouvindo”, relata.

Treinos e dietas milagrosas

Uma pesquisa feita com 23 pessoas pelo Cada Minuto, trinta e cinco por cento dos entrevistados afirmaram terem feito algum tipo de treino ou dieta “milagrosa” com o objetivo de perder ou ganhar peso.

Anne defende a união entre a alimentação e a atividade física, pois, segundo ela, não existe essa dieta milagrosa ou esse treino que vai mudar seu corpo em um mês. “Isso não existe! A paciência anda junto com a alimentação e a atividade física. Costumo brincar dizendo que é uma ‘tríade’, já que as mudanças são lentas e progressivas. Eu particularmente levo a minha dieta como estilo de vida e a atividade física como meu ‘escape’ dos problemas diários. Não é fácil e já desci várias ladeiras pelo caminho, mas o esforço compensa. Estar bem e saudável não tem preço”, desabafa.

Para a nutricionista Luana Pacheco, o grande problema da mídia são essas dietas milagrosas chamadas de dieta da moda, que prometem e muito o emagrecimento rápido do paciente, e que não podem ser mantidas por um longo período de tempo. Vejo isso como dietas que só ajudam a vender revistas, no qual não tem apoio nenhum de nutricionista. Todas elas são bem perigosas, deixando a maioria das pessoas com alguma deficiência de certos nutrientes. Sem esquecer que, emagrecer muito rápido sem nenhuma orientação nutricional ou até mesmo médica, isso faz com que o paciente arrisque a própria saúde.

Neto conta que acredita que a mídia televisiva não contribua com a escolha de alguém em relação à atitude de decidir perder peso. Acredito que algumas notícias podem ser manipuladas e muita das vezes isso acaba prejudicando.

“Mas, hoje em dia, a mídia das redes sociais vem cumprindo um papel muito importante, apesar de que existem falsos profissionais se aproveitem de pessoas leigas e recomendam coisas que não tem nada a ver com uma dieta saudável, justamente por não terem se especializado, falando só por falar. No entanto, de qualquer forma a gente consegue identificar quando realmente é um profissional confiável e de quando as indicações de treinos e receitas de como são de fato verídicas. Acredito que a mídia social tenha um ponto positivo em relação a decisão de perder peso, já não acho o mesmo da mídia televisiva” explicou, o estudante.

Além disso, o estudante relata que chegou a ser uma das vítimas das dietas milagrosas e que na época que em que começou a perder peso, ele tomava um copo de suco de laranja corria de 5 a 10 km diariamente. “Hoje, depois de ter um acompanhamento com a nutricionista, eu vejo as besteiras que eu fazia. Essas dietas milagrosas não são saudáveis. Quando conversei com a nutricionista e expliquei o que fazia, ela me disse que eu poderia me sentir mal e acabar desmaiando”.

Casos curiosos

Diversos são os casos de pessoas que se arriscam nas receitas ou têm uma atitude um tanto curiosa. “Tenho vários casos curiosos de pacientes, mas o mais comum é que quando chegam ao objetivo, pensam que podem sair chutando ou quebrando o pau da barraca e sabemos que se voltarmos com os mesmos hábitos, voltaremos à estaca zero”, explica Lessa.

A nutricionista conta que durante a sua jornada, o caso que mais lhe chamou a atenção, foi o de um paciente que diariamente comia 19 pães. “Parece até mentira, eu fiquei tão surpresa que precisei confirmar isso com a irmã dele que o fiscalizava. Ele também não gostava de comer verduras, frutas, e de proteína só comia carne e ovo. Com uma grande orientação nutricional que o dei, fiz experimentar aos poucos os alimentos, cortando logo de cara o famoso pãozinho que ele era viciado. Assim ele conseguiu perder em 1 mês 10,2kg, reduzindo seu percentual de gordura de 32% para 24%, saindo do 106,6kg para 96,4kg”.

Dificuldades e incentivo

Segundo o estudante de educação física, Neto Rodrigues, de 29 anos, para se perder peso de uma maneira saudável é preciso procurar um profissional para ter um auxilio. Um nutricionista contribui bastante nessa busca e sempre passa a dieta de acordo com objetivo de cada um, e assim a pessoa pode perder peso da maneira certa com a ajuda de um especialista. Além disso, ele diz que o acompanhamento nutricional junto com a atividade física é muito importante durante a evolução do processo da perca de peso.

Neto conta que nem sempre se alimentou bem e não tinha o hábito de correr. “Quando perdi peso pela primeira vez foi por conta própria, eu cheguei a pesar cerca de 140 kg. Eu não gostava nem de correr, aí passei a criar o hábito. No inicio eu corria de 3 a 5 km. Comecei a cortar algumas coisas da minha alimentação como refrigerante e pão, e substituí o arroz comum pelo arroz integral, além disso, passei a comer mais frango, ovo e salada, apesar de que, eu sempre gostei, mas só fiz diminuir a quantidade”.

Ele relata ainda que no inicio não procurou um acompanhamento com uma nutricionista e que chegou a errar bastante em relação a alimentação. “Pela manhã eu tomava um copo de suco ou um copo de vitamina e saia para correr. Demorou cerca de um mês e meio para que pudesse ver o resultado”.

De acordo com a nutricionista esportiva, Luana Pacheco, a busca em perder peso de uma maneira saudável pode ser considerada um jogo.

“Eu levo isso como um jogo, pois restringir calorias em uma dieta altera o metabolismo, no entanto, não existe uma formula mágica para perda de peso, tudo vai por etapas, mas o fundamental é o que exatamente o paciente come no seu dia a dia, e também se faz alguma atividade física para que o ajude a melhorar e a chegar em seu objetivo traçado”, explicou.

Perda de peso x saúde

Luana diz ainda que o mais importante é fazer o paciente emagrecer de modo que a perda de peso não venha acompanhada com a perda de saúde. A nutricionista relata que o acompanhamento nutricional ganha mais força se trabalhar lado a lado com a atividade física e ajudam a prevenir diversas doenças.

“Observo muito de meus pacientes a grande preocupação com a saúde, querendo eles uma mudança rápida em seu estilo de vida. Deixo claro que tudo só depende deles conjunto comigo, afinal, a combinação de uma alimentação saudável e a prática de exercício físico requer atenção, com hábitos alimentares e o inicio de uma atividade física programada, que deve ser acompanhada pelo profissional educador físico. Contudo, é claro que associação deles dois juntos mostra uma relação positiva, como mesmo a prevenção de diversas doenças, entre elas cardiovasculares e diabetes, já que o exercício é capaz de provocar uma melhora do perfil lipídico e da sensibilidade à insulina”, esclareceu.

Tempo x Alimentação x Atividade Física

Luana afirma que a perda de peso varia muito de paciente para paciente, e aqueles que fazem uma alimentação saudável em conjunto com atividade física, tem mais chances de acelerar o metabolismo e independente da idade, consequentemente a perda de peso será de forma correta e acelerada. No entanto, aqueles que só se alimentam bem e não fazem nenhuma atividade física, tem chances que sua perda seja lenta, e até mesmo não só perdendo gordura e sim massa magra. Por isso, que é fundamental a prática de exercício físico, porque ajuda a baixar o percentual de gordura e aumentar o de massa magra.

 Além disso, a nutricionista esclarece que a média é que por semana o paciente perca 1 kg ou mais, depende de caso para caso.

Tentação e força de vontade

Luana Pacheco, diz que o paciente tem que ter uma grande força de vontade em querer realmente mudar seu estilo de vida. Precisando começar com um habito alimentar saudável em conjunto com a atividade física.

Além do mais, ela explica que a maior barreira que o paciente pode encontrar, são as famosas tentações, que provem de alimentos gordurosos, carboidrato simples, doces, alimentos com alto teor de sódio, ou até mesmo industrializados altamente processados, sem esquecer a famosa bebida alcoólica, que boa parte dos pacientes não gostam de diminuir esse consumo”.

Segundo Neto, quando ele chegou a pesar 102 kg, ele decidiu iniciar um acompanhamento com a nutricionista e atualmente está pesando 96 kg.

 Após iniciar o acompanhamento nutricional, ele revela que com duas semanas de dieta começou a ver a diferença em seu corpo. “Como você conhece o seu corpo, logo você consegue notar a diferença. Para as pessoas de fora, ainda não dava pra notar. Em uma dieta balanceada com duas semanas já é possível notar resultados bem positivos. Tudo depende da força de vontade!”

Incentivo e dedicação

“Atualmente eu estudo educação física e o que eu venho aprendendo na faculdade é que o educador físico tem que sempre incentivar e passar o exemplo para o aluno, ele tem que ser um produto do produto, para que assim ele sirva de exemplo. Quando você se dedica e fica muito próximo ao educador e treina com ele, você tem um contato maior, e eu acho que esse contato entre o educador e o aluno é muito importante para que o aluno tenha resultados satisfatórios” explicou Neto.

Dicas para iniciantes

A nutróloga diz que o mais importante de tudo é que o paciente não perca a vontade de querer vencer seus próprios objetivos. Ademais, ela conta que acaba se tornando uma segunda mãe de seus pacientes e que faz questão de fazer um acompanhamento diário com eles. Além disso, não se pode esquecer que é fundamental o consumo de água, diminuir os embutidos, alimentos industrializados, e começar uma atividade física sendo acompanhado por um profissional. 

“Confesso que sou bem chata, pego no pé quase todos os dias de meus pacientes, observo em redes sociais o que eles estão postando, se é comida errada, se vivem bebendo, certo que todo mundo tem seu dia do lixo, mas se não chamar a atenção deles, eles acabam deixando o tempo passar, e desistem de querer mudar seu habito de vida, voltando assim a estaca zero”, disse.

“Quando somos pequenos nossa mãe fica em nosso pé para que a gente coma certinho, eu hoje me considero uma segunda mãe dando puxão de orelha neles, afinal, estou sempre disponível tirando dúvidas deles por rede social, dando dicas, informando lugares com preços promocionais seja de suplemento e alimentos”, explicou.

Para Neto Rodrigues, a maior dificuldade é ter que abdicar de muitas coisas. A dica que eu dou para os iniciantes é começar a praticar 30 minutos de exercícios todos os dias e manter sempre o foco. “Se você está focado no seu objetivo e quer chegar a ele, é claro que vão ter muitas dificuldades, mas o ideal é se afastar das alimentações que não estão prescritas pelo nutricionista”.

Para quem quer aderir aos exercicios físicos, Emanuel dá um conselho. "A dica que eu dou para os iniciantes é que eles não sejam tão imediatistas, que elas não se preocupem tanto com a estética, mas sim com a saúde. E também que não tomem como referência os artistas das redes sociais, pois por trás daquele artista existem vários profissionais como um médico, um nutricionista, fisioterapeutas, psicólogos, educador físico, dentre outros".

Perda de peso x idade

“A grande questão de escuto de meus pacientes é: eu como pouco e não emagreço, será que meu metabolismo é lento? E como sempre explico que, durante o dia gastamos em média 65% de energia para funções vitais. No entanto, 10% de energia total são gastas pelo o que comemos da mastigação até a absorção. Com isso, os maiores fatores são os alimentos gordurosos que devem ser controlados, de maneira que façam parte da alimentação, porém sem abuso, como também os intervalos entre as refeições, a atividade física, e a idade que também influencia, pois, a partir dos 30 anos o metabolismo começa a ficar mais lento, a própria água que desacelera o metabolismo porque quase todas as funções do corpo dependem da sua presença, e o sexo, que o metabolismo masculino é mais acelerado do que o feminino, porque os homens possuem massa muscular mais desenvolvida do que a mulher devido à testosterona eles que possuem”, finalizou a nutricionista.

*Estagiárias.