D2b35d6b 2e8d 4dde 9aba a499fd53b9e6

O que se vê nas metrópoles do sul e sudeste do país, apresentações culturais de alto nível e gratuitas, pode ser visto e apreciado na capital metropolitana do agreste. Na quinta (12), teatro ao ar livre encenando Shakespeare e apresentações de música popular e erudita, além de dança contemporânea, na sexta (13), encantaram os arapiraquenses que foram ao Parque Ceci Cunha e ao Teatro Hermeto Pascoal, na unidade do Sesc. E, não para por aí porque neste sábado (14) e domingo (15) tem espetáculos da 1ª etapa do “Cena em Fluxo”, também no Hermeto Pascoal.

No Parque Ceci Cunha, a noite Agrestina tornou o ambiente ainda mais agradável para a apresentação da trupe baiana “Teatro Popular de Ilhéus”. Encenada na área externa do ginásio João Paulo II que fica em frente ao Bosque das Arapiracas, o grande palco, o belo figurino e a atuação performática dos atores prenderam todas as atenções para o desenrolar da peça “Medida por Medida”. Mas, a novidade para o público arapiraquense foi o espetáculo trazer a audiodescrição e a presença de intérpretes de Libras. Recursos que deixaram nas entrelinhas a necessidade de apresentações artísticas serem também inclusivas.

O espetáculo “Medida por Medida”, que está circulando por várias cidades do Brasil após ser selecionado pelo programa Petrobras Distribuidora de Cultura 2018/2019, aborda temas como abuso de poder, combate à corrupção, traição, hipocrisia, sexo e justiça. Assuntos conduzidos com maestria por William Shakespeare e que levavam a questionamentos no século XVI e ainda hoje continuam a provocar reflexões em sua plateia. Em Arapiraca, o projeto dos atores baianos também contou com apoio da prefeitura municipal e da produtora cultural Sue Chamusca.

 

A noite cultural também trouxe para os amantes da boa música duas belas apresentações no Teatro Hermeto Pascoal, com mais uma edição anual do “Sonora Brasil”. Desta vez, o projeto que em vinte anos já realizou mais de cinco mil e setecentas apresentações oportunizou a difusão da beleza sonora de metais e percussão para o público da “Terra de Manoel André”.

A primeira banda a subir ao palco foi a Banda de Música do 3º Batalhão de Polícia Militar, a convite do Sesc Arapiraca. Sob regência do maestro Antônio Carlos Feitosa, os músicos do 3ºBPM apresentaram um repertório variado de músicas nacionais e internacionais, incluindo clássicos que tiraram aplausos da plateia.

A apresentação principal da noite com a Corporação Musical Cemadipe, formada por jovens de bandas civis de Aparecida de Goiânia, trouxe no repertório hinos e marchas, inclusive de relevância histórica, além de composições de músicos goianos. A força de instrumentos de fanfarra deu um brilho a mais à apresentação regida pelo maestro Rogério Francisco Leite.

Na sexta (13), o Teatro Hermeto Pascoal mais uma vez teve sua capacidade máxima atingida por uma plateia que valoriza roteiros culturais para os momentos de lazer. Desta vez foi o projeto Sesc das Artes, que trouxe ao coração do agreste alagoano um espetáculo de dança urbana com o grupo Hope – Resgate Crew.

O grupo com mais de dez anos de trajetória é conhecido por suas apresentações em espaços urbanos, escolas, igrejas, mostras e festivais. Mesclando estilos de breaking, freestyle looking, krump, popping step e house conquistou espaço na cena cultural por definir um estilo próprio com muita técnica e, principalmente, por aproximar a dança urbana de diversos públicos.

Neste sábado e domingo, o grupo de teatro de Maceió, Cia do Chapéu, apresentará no Teatro Hermeto Pascoal os espetáculos “Tarja Preta” e “Alice”. As apresentações fazem parte do projeto “Cena em Fluxo” que tem a proposta de apresentações nas cidades de Arapiraca e Penedo, além de Maceió.  As apresentações do projeto no interior contempla ainda intercâmbio com grupos de teatros das duas cidades.

 

O Cena em Fluxo também irá apresentar em Maceió os espetáculos Remendó, do grupo Flôr do Sertão e dos espetáculos “Mateu Errante, Mateu Brincante” e “Le Monde Bleu”, da Cia Raízes da Terra. O que chama a atenção para este projeto é que ele foi financiado por uma campanha na plataforma Catarse (voltada ao financiamento coletivo, vaquinha virtual), que ficou no ar de 01 de abril a 15 de maio, na categoria “Tudo ou Nada” - onde o valor total do projeto tem que ser alcançado até o último dia de campanha, caso contrário os doadores recebem seu investimento de volta.

Com o êxito da campanha e o apoio de parceiros como o Sesc Alagoas, mais um projeto cultural de qualidade circula por nosso estado e quem lucra com isso somos nós, plateia. Isso nos mostra mais uma vez que iniciativas culturais com e sem o apoio do poder público são frequentes e que basta apenas você estar ligado no que acontece, e no que estar por vir, para desfrutar de tudo de bom que a cultura tem a oferecer.