6d8dfb47 5717 4395 83a4 14772f0b30b2

Ontem (26/6) cruzei a ponte sobre o rio São Miguel, em Tanque d’Arca, a caminho de Palmeira dos Índios. Todas as vezes que passo nessa localidade, a lembrança de Audálio é imediata. Tanque d’Arca, para mim, associa-se ao nome do jornalista e escritor Audálio Dantas.

O rio São Miguel tem a sua nascente no município de Mar Vermelho. Há cerca de dois anos estive no olho-d’água que forma o rio e que desce a serra em direção a Tanque d’Arca, cortando os municípios de Marimbondo e Anadia, antiga sede municipal de onde foram desmembrados esses municípios em 1961.

O São Miguel hoje é um rio com pouca vazão; enchente mesmo só no período das chuvas, que tem início em junho. O rio corre em direção ao mar, mas antes forma o delta com a lagoa do Roteiro, em Barra de São Miguel, e se encontram com o oceano Atlântico.

“Seo” Audálio agora é rio, como disse Juliana Kunc. E para mim, todas as vezes que voltar a cruzar o rio São Miguel lembrarei que em suas águas corre o destemido Audálio Dantas em direção ao Atlântico.

Segue as águas do rio São Miguel e vira peixe, e como peixe se multiplicará em nome da liberdade.