Assessoria da Câmara E4e1c11d 7e12 48a5 b8bd dd89d01cff51 Prefeito Rui Palmeira e vereador Eduardo Canuto

O prefeito Rui Palmeira (PSDB) não é apenas um presidente de partido discreto, mas - neste processo eleitoral - se tornou o “coveiro” de sua legenda pela forma como conduz as coisas. 

Substituiu o ex-governador Teotonio Vilela Filho (PSDB) no comando do “ninho tucano” para ser o maior articulador de uma oposição e quiça o candidato ao governo do Estado de Alagoas no enfrentamento ao atual governador Renan Filho (MDB).

Resultado: não ocupou nenhuma posição. Não teve destreza para construir um grupo estando no comando da legenda e desistiu de ser candidato no pleito da pior forma possível: sem qualquer diálogo de antecipação com os outros partidos que permitisse um núcleo na busca de um nome viável. 

O primeiro reflexo foi a partida do ex-ministro dos Transportes e deputado federal Maurício Quintella para a oposição. 

Quintella mudou de barco sem perder espaços na Prefeitura de Maceió. O recado com isso é que a oposição é a popular “casa da mãe Joana”. Assim, um grupo formado por legendas importantes no cenário político alagoano não possui candidato ao governo do Estado de Alagoas, apesar de dois candidatos ao Senado Federal - o deputado estadual Rodrigo Cunha (PSDB) e o senador Benedito de Lira (PP) - e uma série de pretensos candidatos aos cargos de deputado estadual e deputado federal. 

Como eu já havia dito aqui, o PSDB perdeu o tempo e o relógio. Resultado: agora - até mesmo entro do parido - é cada um por si e salve-se quem puder. 

A recente entrevista do líder do governo municipal na Câmara de Maceió, concedida ao jornalista Carlos Victor na Tribuna Independente, mostra bem isso. O edil Eduardo Canuto (PSDB) destacou uma reunião de 14 vereadores para que estes definissem o apoio a possíveis candidatos ao governo e ao Senado para assim articularem suas possíveis candidaturas a deputado estadual ou federal. 

Nem os tucanos esperam mais pelo PSDB. Nem mesmo se espera que o vereador e presidente da Câmara, o tucano Kelmann Vieira decida se é candidato ou não. Eduardo Canuto tenta - como ele mesmo colocou - viabilizar uma candidatura à Câmara dos Deputados. Kelmann Vieira tem como prioridade eleger a esposa (Flávia Cavalcante) deputada estadual. Carlos Ronalsa e Samyr Malta também serão candidatos ao Legislativo. 

Aliás, o prefeito de Maceió - no meio dessa turbulência política - não consegue nem mais articular junto à Câmara Municipal. Como dirigente partidário, Rui Palmeira se revelou um fracasso. Sabe o que é pior? Muitos dos vereadores da base governista de Rui Palmeira podem acabar apoiando Renan Filho (MDB) e ainda votar nos senadores Renan Calheiros (MDB) e em Maurício Quintella (PR). O senador Benedito de Lira (PP) - um dos aliados do prefeito - pode ser deixado de lado. 

Eis uma fala de Eduardo Canuto, da entrevista citada, que destaco: “muitos estão querendo se encontrar nesse processo. Ainda sem a definição de um palanque majoritário é provável. A não ser que seja o sentimento individual”, declarou o vereador Eduardo Canuto”.

É possível perceber isso também nas outras legendas. O PP vem cansando de esperar o PSDB. PROS e PP tem sido os mais fiéis opositores ao governo de Renan Filho; consequentemente os maiores aliados de Rui Palmeira. Porém, isto parece não servir de muita coisa para o tucano…

Estou no twitter: @lulavilar