Foto: GE 175732c1 fe37 4956 b315 39ba57230046

A vitória por 2 a 1 da França sobre a Austrália, na manhã deste sábado, na Arena Kazan, entrou para a história das Copas do Mundo. Não pela qualidade do futebol, mas pelo uso da tecnologia. Foi a primeira vez que o árbitro de vídeo (VAR, na sigla em inglês) mudou uma decisão do árbitro, culminando em pênalti para a França (anotado por Griezmann).

Foi também a primeira partida em 2018 com um gol assinalado com o sensor ativado pelo chip na bola, que, após chute de Pogba, bateu no travessão e então atrás da linha do gol da Austrália, antes de voltar para o campo (em 2014, o recurso já havia sido utilizado).

Os australianos lutaram muito e chegaram a empatar o jogo com Jedinak, num pênalti bizarro de Umtiti (lance em que o árbitro uruguaio Andrés Cunha levou alguns segundos antes de tomar a decisão, mas, neste caso, não há como cravar que houve interferência do VAR). Mas a França, longe de ser brilhante, e com a ajuda da tecnologia, acabou saindo vitoriosa.