Reprodução 1334324688d7f710626a09750009e9bd28b79290fc Roberta Dias

Após seis anos, um crânio que pode ser de Roberta Dias foi encontrado pela família neste domingo (10) em um terreno no Pontal do Peba, em Piaçabuçu. A mãe de Roberta, Mônica Reis, disse ao Cada Minuto que o único sentimento que ela teve ao encontrar o crânio foi de ódio contra quem praticou o crime.

O caso de Roberta Dias ainda não foi totalmente solucionado. A jovem estava grávida e foi sequestrada e executada em abril de 2012. O corpo nunca foi encontrado. Os suspeitos identificados como Karlo Bruno Pereira Tavares e Saulo Araújo [pai do filho de Roberta] estão em liberdade.

Segundo Mônica, na manhã de ontem, ela recebeu uma ligação anônima informando o paradeiro do crânio que poderia ser de Roberta. “Imediatamente liguei para os amigos dela, a delegacia de Penedo e o IML  de Arapiraca e Maceió, mas ninguém tinha recebido nenhuma informação sobre o caso”.

Mônica disse ao Cada Minuto que foi juntamente com o esposo e uma prima para localizar o crânio. “Chegamos lá umas 9h e encontramos umas 12h30. Acionamos a polícia e o IML”.

A mãe de Roberta também disse que registrou o boletim de ocorrência para fazer o exame de DNA, mas nesta segunda-feira, ligou para o IML e foi informada que o exame ainda não foi feito, mas que provavelmente é um crânio feminino.

Ainda não há certeza é mesmo de Roberta, mas Mônica contou que no momento que ela encontrou o crânio, a sensação de ódio tomou conta dela. “Ela estava sem arcada dentária e eu me lembrei dos áudios que falavam sobre isso, meu esposo e minha prima choraram, mas eu tive ódio da situação e de quem cometeu o crime”.