4522c543 a106 479a 8ea4 d0a8169c9730

O resultado foi exatamente o que eles não esperavam: em média as armas de fogo foram usadas para legítima defesa 2,46 milhões de vezes por ano, enterrando de vez a falsa narrativa de que as armas de fogo são instrumentos de ataque e não de defesa.

Em 1995 os professores Gary Kleck e Marc Gertz publicaram o estudo Armed Resistance to Crime: The Prevalence and Nature of Self-Defense with a Gun (1) que estimava que as armas de fogo eram usadas para defesa mais de duas milhões de vezes por ano nos Estados Unidos. Tal estudo, claro, recebeu fortes críticas das organizações e entidades antiarmas e acabou tachado como sendo apenas mais uma tentativa do lobby da NRA em provar as suas teses pró-armas, mesmo o escritório da ONU para Drogas e Crimes (UNODC) tendo aceitado o estudo como verdadeiro e confiável em seu relatório Global Study on Homicide (2), publicado em 2011.

John Lott, um dos maiores e mais conceituados estudiosos sobre o tema, dedica todo um capítulo intitulado “Como o governo trabalha contra a propriedade de armas – A limitação da pesquisa governamental sobre armas” em seu livro Preconceito Contra as Armas (3), publicado no Brasil pela Vide Editorial, para mostrar como o governo (americano) trabalha contra a propriedade de armas, patrocinando pesquisas e estudos quando imbuídas de demostrar, única e exclusivamente, o lado negativo da posse e porte de armas. Embora o autor afirme que isso ocorre tanto em governos comandados por Democratas quanto por Republicanos, é inegável que os governos Democratas, em especial o de Bill Clinton, foram de longe os que mais utilizaram esse subterfúgio na tentativa de embasar suas posições ideológicas. Foi exatamente por esse motivo que o Congresso Americano vetou a liberação de verbas públicas para o The Centers for Disease Control and Prevention (CDC) quando a pesquisa tem como objetivo embasar argumentos contra a Segunda Emenda à Constituição Americana, que garante ao povo o direito de possuir e usar armas. Como veremos a seguir, o Congresso estava absolutamente certo em fazer isso.

Em fevereiro deste ano – 2018 –, o professor Gary Kleck, citado no início do texto, divulgou um artigo bombástico (4): o CDC realizou uma pesquisa sobre o uso defensivo de armas de fogo e simplesmente escondeu o resultado! Nos anos de 1996, 1997 e 1998 milhares de pessoas foram abordadas com a seguinte pergunta: "Nos últimos doze meses, você confrontou outra pessoa com uma arma de fogo – mesmo que não tenha atirado – para se proteger, proteger sua propriedade ou outra pessoa?". A pergunta estava inserida em uma outra pesquisa mais ampla e passou despercebida por anos. O resultado foi exatamente o que eles não esperavam: em média as armas de fogo foram usadas para legítima defesa 2,46 milhões de vezes por ano, enterrando de vez a falsa narrativa de que as armas de fogo são instrumentos de ataque e não de defesa.

O objetivo real do CDC me parece bastante óbvio ao inserir tal pergunta exatamente nos anos seguintes à publicação do estudo de Kleck e Gertz: desmoralizar o resultado pró-legítima defesa. Uma vez que o resultado foi exatamente o mesmo, ou seja, apontava para a eficácia defensiva das armas em posse dos cidadãos, não pensaram duas vezes em varrer para baixo do tapete a inoportuna e constrangedora constatação e nunca mais ousaram repetir o questionamento em suas pesquisas sobre o assunto…

O artigo de Kleck tem repercutido muito nos blogs pró-armas e na imprensa independente americana, mas, como sempre, há um silêncio sepulcral na grande mídia. Vale aqui, mais uma vez, uma citação do Preconceito contra as armas: “Certos eventos serão certamente considerados mais ‘noticiáveis’ do que outros: um corpo morto ganhará mais atenção do que uma pessoa ferida, que por sua vez ganhará mais atenção do que simples exibição de uma arma, seguida pela fuga do criminoso”. Aparentemente, o fato de existir um estudo onde sangue inocente não escorre pelas páginas não o torna “vendável” ideologicamente.

A grande lição que fica é voltada àqueles economicistas e tecnocratas que incensam o deus-estatística, adotando como verdade absoluta e incontestável os estudos produzidos por órgãos “imparciais” como, por exemplo, o nacional IPEA. Eles acreditam que o mundo é feito de números e planilhas, descartando a inevitável falibilidade humana e, principalmente, acreditam na ideia de que possa existir um governo imparcial, justo e incorruptível ideologicamente.

Fontes:

  1. https://pdfs.semanticscholar.org/91da/afbf92d021f06426764e800a4e639a1c1116.pdf
  2. https://www.unodc.org/unodc/en/data-and-analysis/statistics/crime/global-study-on-homicide-2011.html
  3. https://amzn.to/2jDcMVu
  4. http://www.bizzyblog.com/SSRN-id3124326.pdf

 

_____________________________________________________________________

Quer ajudar nessa luta pelo seu direito de defesa? Faça sua doação no meu Patreon!

Doação a partir de $1 por mês!

https://www.patreon.com/benebarbosa

______________________________________________________________________