80b4b198 0608 414a bfaf edcde1d6baa7

       Relacionamentos abusivos são capazes de acontecer de maneira extremamente discreta. Sempre devastadores à personalidade e a saúde mental de suas vítimas, deixam um rastro de destruição para quem sofre na pele seus agravos.

        1. Controle e domínio constante: Exigir livre acesso ao celular do outro e suas redes sociais, não respeitar a privacidade alheia, determinar tipo de roupa a ser usada são exemplos disso.

        2. Você faz coisas contra a sua vontade ou toma muito cuidado com as palavras por medo de como ele pode reagir: Não é normal você sentir medo de quem deveria ser seu companheiro.

        3. Ele faz você sentir que a culpa por ele ser agressivo ou ameaçador é sua: Uso de argumentos semelhantes: "Você me provocou", ou "Eu só fiz isso porque eu te amo", ou ainda: "Você me tira do sério"

        4. Ele te faz acreditar que você é uma pessoa difícil de ser amada: "Se você não ficar comigo, ninguém vai saber aturar esse teu jeito".

        5. Ele "nunca te bateu" mas age sempre de forma agressiva: Lembrando que violência não é só a física. Esta pode ainda ser emocional, moral, sexual e até patrimonial.

        6. Ele tenta te afastar das suas amizades e te induz ao isolamento social: Esta é uma estratégia comum dos abusadores para fragilizar ainda mais suas vítimas e impedir qualquer tipo de pedido de ajuda.

        7. Após um desentendimento ele age com indiferença: Estratégia usada para desestabilizar e fazer com que a vítima chegue ao ponto de quase implorar por um contato.

        8. Você ouve coisas como "você é louca", que "isso é coisa da sua cabeça" ou que você está fazendo drama à toa: Isso se chama gaslighting e é o abuso emocional em que o parceiro faz com que você comece a questionar sua própria compreensão da realidade.

        9. Ele sempre é agressivo ou violento, mas toda vez promete que não vai mais fazer isso: Volta sempre arrependido e posteriormente, recomeça o ciclo do abuso.

         10. Ele tem o costume de gritar com você: Para que a violência aconteça existe um escalonamento dela. Um grito, em proporções maiores, pode se transformar rapidamente em uma agressão física.

          Se você identificou algum destes sinais em seu relacionamento, procure ajuda.

 

Carla Perdigão

Foto: reprodução