52fb11e8 f974 4b83 8799 9dd562a2b90c

(Atualizada às 12h28)

Na manhã desta segunda-feira (16), famílias sem terras dos Movimentos agrários MST, MVT, MLST, CPT, MLT e MSL ocuparam o prédio da Secretaria de Estado da Fazenda de Alagoas (Sefaz), localizado no centro de Maceió, para denunciar a violência nos campos e reivindicar uma negociação entre o governo do estado e a massa falida do grupo Laginha.

Segundo uma das lideranças do Movimento Sem Terra (MST), Marcos Antônio da Silva, popularmente conhecido como “Marrom”, o grupo espera há cerca de seis meses por uma audiência pública com o governador Renan Filho (PMDB).

“Estamos aguardando há seis meses essa audiência, e a negociação como um todo já dura três anos. Nossa luta é para que seja feito o acerto de contas entre a massa falida do grupo Laginha e o governo, para que essas terras sejam revertidas para nós, dos movimentos. Também estamos aqui para denunciar a violência nos campos” afirmou ele.

O secretário da Fazenda, George Santoro, disse que recebeu os representantes dos movimentos e que reforçou a disponibilidade para conversar com eles. “Estamos abertos para o diálogo e sempre a postos para ajudar. Infelizmente esse pedido não pode ser atendido por questões maiores. São informações protegidas por sigilo fiscal, mas demos um encaminhamento às questões em pauta. Marcaremos uma reunião com o governador para definir os próximos passos”, disse.

Também participaram da reunião a Secretária do Tesouro Estadual, Renata Santos, o Secretário Especial da Receita Estadual, Luiz Dias, representantes do Gerenciamento de Crise do Estado e o Diretor Presidente do Instituto de Terras e Reforma Agrária de Alagoas, Jaime Messias.

*Estagiária