Cb62d585 8fce 472d a261 0c6a59738025

Dos 69 anos de vida do padre Julio Lancellot, pároco da Igreja de São Miguel Arcanjo, em São Paulo, 34 são dedicados ao abrigo e defesa dos moradores de rua e outros grupos marginalizados.O padre atua na Mooca região central e vigário episcopal para a população de rua da Arquidiocese de São Paulo,

Por sua defesa a esses grupos o Padre Júlio vem recebendo ameaças de internautas, inclusive de morte.Dentre os agressores tem um advogado, segundo o padre, que insurge o ódio, com frases tipo “morte ao padreco”.

Lancellot atribui às ameaças a crescente intolerância social em relação aos diferentes,entre eles,  pobres e pretos. As ameaças são incisivas “Tem que começar mandando esse padre pro inferno, e depois seus seguidores…”, sendo saudado com aplausos virtuais.

O padre afirma: “O discurso de ódio sempre existiu. Mas esses intolerantes, antes, ficavam restritos, não se impunham. Nesse momento que estamos vivendo, sinto que essas pessoas se sentem livres, não tem mais o menor pudor e se sentem legitimadas para falar o que bem entenderem”

 “Os moradores de rua aumentaram, isso é fato. E são diversas causas, como o desemprego, a inadimplência, essas coisas. Tem muita gente na rua e em condições de rua e a intolerância, que sempre existiu, fica mais evidente por causa dessa convivência em todo lugar: parques, áreas públicas, ruas”, analisa.

Ameaças

Lancellotti, com a orientação das advogadas Valdênia Paulino Lanfranchi e Juliana Hashimoto Bertin, enviou um ofício nesta segunda-feira (19/3) ao procurador-geral do Ministério Público de São Paulo, Walter Paulo Sabella, e ao subprocurador de Políticas Criminais e Institucionais, Mário Luiz Sarrubbo, informando a respeito das ameaças e ofensas e solicitando providências. O documento traz uma explicação sobre quem é Padre Julio e detalha as atividades pastorais realizadas por ele, destacando o aumento expressivo da população de rua e a importância da luta dele para pressionar o poder público para que olhe e assista adequadamente esse grupo vulnerável. O último censo, de 2015, fala em 16 mil pessoas, mas entidades que lidam com a causa afirmam que já chega a 25 mil. Além disso, traz prints das ameaças que vêm sofrendo. Além dos ataques diretos, há outros que o acusam de uso de drogas e alguns que sugerem que o padre “pegue os pedintes e coloque para morar na igreja” ou na casa dele.(...)

Fonte:https://www.pragmatismopolitico.com.br/2018/03/padre-julio-lancellotti-e-ameacado-de-morte-por-defender-moradores-de-rua.html