Tribuna Hoje/Cortesia 27afa3b3 ce0d 4010 a371 2c61a8d0678b Cientista Político, Ranulfo Paranhos

O cenário político brasileiro vem mudando gradualmente com o passar dos anos, e tal afirmação fica evidenciada através de investigações que se tornam cada vez mais frequentes aos políticos. O estado de Alagoas faz parte desta nova conjuntura, e vem apresentando um número significativo de governantes investigados pela justiça.

Para o Cientista Político e professor da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), Ranulfo Paranhos, essa mudança de cenário político vem ocorrendo devido a diversos fatores, e dentre eles está o surgimento de uma nova visão social perante os próprios governamentais eleitos. Segundo ele, a população está mudando sua forma de enxergar e se posicionar diante dos cargos públicos.

 “O cidadão começou a entender que o cargo daquele político não é vitalício, e que eles estão ali apenas para cumprir uma função pública. Esse tipo de reflexão leva ao surgimento de uma consciência de que os políticos são eleitos pelo povo, e podem ser tirados do poder por ele”, explicou Ranulfo.

De acordo com o cientista, os episódios de investigação também têm relação com o atual cenário de institucionalização da justiça brasileira, que vem atuando –mesmo de forma ainda lenta- em função da lei. Além disso, ainda segundo ele, existem fatores como o amadurecimento da constituição e as melhorias no funcionamento dos órgãos judiciais.

“Podemos apontar, principalmente, duas variáveis para o melhor funcionamento da justiça: a primeira é que a carta constitucional começou a amadurecer, junto com os aparatos de controle. Nossa constituição vai fazer apenas 30 anos, e isso é muito pouco se comparado a outros países do mundo. A segunda variável é que a justiça começou a ganhar mais estrutura, e apesar de muitos procedimentos ainda serem lentos, hoje podemos observar uma quantidade superior de servidores atuando dentro desses órgãos” disse ele.

Ranulfo Paranhos também defendeu que um número cada vez maior de brasileiros se preocupa com a política e entra em contato com o Ministério Público para fazer denúncias contra os governantes.

“Nossa população está mudando, e não é só em relação aos protestos que podem ser vistos através da mídia. Hoje, uma grande parcela de pessoas contata o Ministério Público para efetuar denúncias e apresentar indícios contra os políticos. Em períodos eleitorais, por exemplo, há aplicativos por onde se pode denunciar práticas criminosas, e a população vem cumprindo seu papel nesse quesito” explicou.

Com relação a este reflexo social e judicial dentro do próprio sistema político, o professor afirma que há um “voto punitivo” por parte da população para a maioria daqueles que se envolvem em escândalos. Ele salientou ainda que por diversas vezes este fenômeno não é o suficiente para impedir que determinado candidato seja reeleito, mas demonstra uma escolha mais incisiva na hora do voto.

“É possível comprovar que quando um político se envolve em um sistema de corrupção e é descoberto, seus eleitores diminuem, por que existe uma espécie de voto punitivo: parte da população está ciente daquele fato, e opta por não votar no indivíduo novamente. Obviamente essa quantidade de eleitores não é grande o suficiente para impedir que ele seja eleito novamente, mas já é bom que isso exista pois demonstra mais discernimento diante das urnas” explicou.

De acordo com o professor, um dos caminhos para uma mudança mais efetiva é a conscientização da população no que diz respeito aos motivos pelo qual determinado governante é escolhido. “O eleitor brasileiro precisa começar a pesquisar o passado eleitoral do seu candidato, pois quando um crime é cometido, provavelmente outros serão. Na maioria das vezes, escolher novamente alguém já investigado ou exonerado por corrupção é pedir para que a história se repita. Existem meios, como a internet, que possibilitam essa busca por informações. Infelizmente, o eleitor médio ainda não chegou ao nível de escolha onde se agregam preferências legais” afirmou.

Ranulfo Paranhos também defendeu que uma das evidências da preocupação social por política pode ser vista nas rodas de conversas pautadas pelo assunto. “Hoje em dia se discute política. Por mais que seja pouco ou muito, o eleitor sabe algo sobre determinado candidato, e isso já faz a diferença. Ao que parece, a sociedade está tomando consciência de que só através da política poderemos mudar qualquer tipo de realidade social” finalizou ele.