Foto: Reprodução 107e5724 570a 425a a008 72808588bf2b Governador Renan Filho decreta luto oficial por três dias, após morte militares em acidente na BR 101.

O governador Renan Filho (PMDB) estará com os demais governadores do Nordeste no dia de amanhã, 06, no Piauí, para avaliar as ofertas do governo federal na ajuda do combate à criminalidade nos estados da federação. 

Os gestores estaduais devem avaliar a criação de um fundo nacional que some forças aos recursos do Tesouro Estadual e da União e, desta forma, direcionar verbas para a segurança pública. Além disso, avaliara abertura de linha de financiamento de R$ 42 bilhões, via BNDES, que foi anunciada pelo presidente Michel Temer (MDB), para investimentos na área, como compra de equipamentos. 

Este recurso de linha de financiamento só não poderá ser usado para salários. Para Renan Filho somente após a reunião é que os gestores terão uma posição sobre os caminhos conjuntos que poderão seguir. 

Mas, o gestor alagoano acredita que a maioria dos governadores também acharão as propostas do governo federal “insuficientes”. 

Renan Filho, a exemplo de seu pai: o senador Renan Calheiros (MDB), tem sido um forte crítico da gestão de Michel Temer. Que as posições políticas não pesem mais que as necessidades, nesse momento, de unir forças para o combate à criminalidade. Tudo tem que ser analisado dentro de critérios técnicos. 

Para o governador de Alagoas, até aqui, ao falar de segurança pública e propostas, Temer apresenta panos abaixo das necessidades do Estado. Renan Filho avalia novos recursos como importantes, porém quer que o governo federal também pense na colaboração com o custeio das forças policiais estatais. Ele defende ainda ampliação de vagas em presídios. 

Em um ponto da crítica, Renan Filho apresenta algo que tem que de fato ser levado em conta: a linha de financiamento ofertada gera endividamento dos Estados, que já atravessam problemas orçamentários e possuem dívidas. Algo que de fato precisa ser levado em conta. 
 

Estou no twitter: @lulavilar