Natália Cerqueira/CM 0db19b9d 69a8 49ae 8d09 9e018d758cc9 Reitor da Uncisal, Henrique Costa

Os aprovados no vestibular 2018 da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas (Uncisal) finalmente irão iniciar o ano letivo. Conforme autorização divulgada nesta sexta-feira, dia 23, pelo Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL) o juiz Alberto Jorge Correia de Barros Lima, da 17ª Vara Cível de Maceió, autorizou a matrícula dos aprovados no último vestibular da instituição.

Em coletiva à imprensa realizada nesta tarde, o reitor Henrique Costa disse que a instituição mostrou ao Ministério Público Estadual (MPE/AL) a metodologia de correção das provas e isso foi suficiente para verificar onde estava o erro.

O reitor destacou ainda que a instituição está avaliando a possibilidade de uma medida judicial contra a empresa AOCP, responsável pela aplicação das provas e pelos equívocos na divulgação do resultado do processo seletivo. "Sabemos que o erro na correção não foi intencional, mas provocou muito mal estar", comentou Costa.

Conforme o reitor,  até o momento a Uncisal não foi notificada judicialmente pelos alunos que foram "aprovados" na primeira lista, mas afirmou que qualquer decisão judicial será cumprida pela instituição. 

Matrículas

As matrículas para os mais de 400 novos alunos dos nove cursos acontecem de 26 a 28 de fevereiro, no Controle Acadêmico, que fica na sede da Uncisal no Trapiche e as aulas iniciam já no dia 1º de março.

Leia mais:

Reitor da Uncisal é intimado para prestar esclarecimentos sobre falha no vestibular

Vestibular: Uncisal presta esclarecimentos ao MP durante audiência pública

Juiz anula resultado do vestibular e suspende matrículas da Uncisal em liminar

 

O caso

Os problemas começaram já na divulgação do resultado da primeira lista, onde houve um atraso em que estava marcado para ocorrer às 16h e só saiu às 21h31min no dia 19 de janeiro.

No dia 22, a lista foi anulada pelo Instituto AOCP, organizador do certame. Em nota, a anulação do resultado se deu por problemas técnicos no sistema de cálculo de resultados e que o resultado retificado seria disponibilizado o mais breve possível.

Dias depois uma nova lista foi divulgada porque, de acordo com a empresa organizadora AOCP, houve uma falha técnica que apresentou erros no cálculo da classificação dos candidatos. Os candidatos que estavam na primeira lista acabaram ficando de fora no resultado retificado.

No dia 25 de janeiro, o Ministério Público Estadual (MPE) intimou o reitor da Uncisal e convocou representantes do Instituto AOCP para que eles prestassem esclarecimentos sobre o caso da falha no resultado do vestibular da Universidade.

Dando continuidade às averiguações no dia 31 de janeiro, o MPE, começou a ouvir todos os envolvidos no processo seletivo 2018 da Uncisal. O Instituto AOCP foi notificado para prestar esclarecimentos, mas nenhum representante apareceu na audiência.

Dias depois, segundo os representantes do instituto, o erro na correção das provas aplicadas no primeiro dia do vestibular com o gabarito dos testes feitos no segundo dia e vice-versa, foi cometido por um funcionário responsável pela programação do sistema.

*Estagiária