672507ca 303a 45fb baf9 5d9bb9156685

Nesses dias, em uma discussão banal pelo WhatsApp, um amigo soltou aquele jargão tão comum para se esquivar de qualquer tentativa mais elaborada para explicar determinado fenômeno: “contra fatos não há argumentos”. Como isso é popular entre os preguiçosos ou naqueles desprovidos de maior capacidade de explicação para além do senso comum.

Lembrei-me, imediatamente, do historiador e teórico das relações internacionais, Edward Carr, autor de célebres obras como A crise dos Vinte Anos 1919-1939: uma introdução aos estudos das relações internacionais (1939) e Condições para a Paz (1942). Carr é enquadrado como um teórico do campo de interpretação realista das relações internacionais, ou seja, de interpretação pragmática dos fenômenos históricos e políticos, embora tenha rejeitado o empirismo histórico.

Mas, foi no didático livro Que é História?, que Edward Carr expressou bem o pensamento que deve ser adotado por todos aqueles que se preocupam com a complexidade que envolve os fenômenos, especialmente sociais. Diz ele: "É comum dizer-se que os fatos falam por si mesmo. Naturalmente isto não é verdade”! (Que é História, 3ª edição. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1982, p. 39)

Aprendi isso desde que lecionava a disciplina economia política nos cursos de graduação e pós-graduação em Relações Internacionais, na terra de Todos os Santos. Ora, se os fatos pudessem falar por si mesmos, não era necessária à humanidade recorrer a ciência, pois os fenômenos sociais e naturais já se encarregariam de nos explicar porque eles acontecem, suas razões e consequências. Assim, a vida e o mundo seriam muito mais previsíveis e fáceis de entender, bastava observar suas ocorrências e frequências, por exemplo.

No entanto, os fatos em si são pobres quando não tratados e observados de acordo com métodos científicos, construção de hipóteses e interpretações já desenvolvidas com base em outras tentativas lógicas de tratá-los. É assim que a ciência avança, se aproximando o máximo possível da realidade, escapando das perguntas simples e respostas fáceis.

Portanto leitor, quando alguém, em algum momento, olhar para algum acontecimento, conferir na televisão ou presenciar qualquer fenômeno, e se dirigir para você, com semblante de “autoridade”, pronunciando a famosa frase de que “contra fatos não há argumentos”, desconfie, essa é a maneira mais simplória de explicar as coisas, escapar de um debate mais rico e subutilizar a inteligência, deixando de construir várias e possíveis razões explicativas. E, certamente, esse seu interlocutor seria um péssimo jogador de xadrez.