Mauro Pimentel 4edc83b1 0bbe 4a64 b5b8 dcba640cb483 Vampiro com faixa presidencial da Paraíso do Tuiuti

Imagine se o Clube de Regatas Brasil ou o Centro Sportivo Alagoano, que competem dividindo o coração dos torcedores de Maceió, chegasse a uma final do mundial de clubes. Ainda sonhando, imagine que nessa partida derradeira, o representante alagoano enfrentasse nada mais, nada menos, que o atual campeão mundial, o milionário Real Madrid.

Se não bastasse tamanha façanha, suponha que a onírica partida ainda tivesse sido disputada lance a lance pelos jogadores se superando em técnica e emoção. Ao fim dos 90 minutos regulamentares, empataram. Restou a emoção da cobrança das penalidades máximas. Nos pênaltis, um gol convertido para um e para o outro também. Até que o último chute encontrasse a ponta da luva do goleiro do time espanhol ao espalmar a bola para fora do gol. Comemoração para os campeões esperados.

Hoje, quarta-feira de cinza, algo inimaginável aconteceu. Uma escola de samba, cujos integrantes são a sua principal riqueza, pouco conhecida pelos brasileiros, acaba de perder o título de campeão para uma das mais tradicionais, ricas e populares do carnaval carioca por apenas um mísero décimo de nota.

Não passa por este cronista menor diminuir a exuberância do primeiro lugar. O título foi justo e a escola fez por merecer. Contudo, o valor do segundo lugar desperta meu espirito e conquista toda a minha simpatia. E em verdade, para mim essa é a glória do campeão.

Por causa dessa quarta-feira de cinzas, acredito que, realmente, começamos o ano de 2018 hoje, uma espécie de réveillon atrasado. Uma sensação de que sim, podemos começar tudo de novo, podemos entender o que aconteceu de errado, podemos aprender com nossos erros e podemos construir o futuro de um Brasil mais justo e solidário.

Aula de história e de consciência social, política e econômica em forma de samba enredo, fantasia e carro alegórico. Em tempos tão obscuros para a arte no Brasil, fomos presenteados pela sagaz e voraz expressão cultural da comunidade de São Cristóvão, Rio de Janeiro.

Se não bastassem as alegorias da herança escravocrata do último país americano a abolir essa chaga social, essa forma nefasta de exploração do homem pelo próprio homem, era notória a clara relação com a precarização das relações de trabalho. Assim como nas ruas de nossas cidades, desfilaram pela Sapucaí alas de foliões ambulantes, de pessoas sem emprego, mas que a cada dia precisam matar um leão para prover o seu sustento e de suas respectivas famílias.

Os operários em carteira de trabalho gigantes que desfilavam na “ala dos guerreiros da CLT” da Paraíso do Tuiuti representam os milhares de trabalhadores vilipendiados por uma reforma (sic) de horrores. Tantas que não caberiam em um só desfile. Isso para não falar no bloco do arrastão previdenciário que ainda pode passar  pelo Congresso Nacional nos próximos meses.

Mas continuo tendo esperança no Direito do Trabalho, ainda que seja muito parecida com aquela dos foliões de uma escola de samba, até então desconhecida, e que almejaram se transformar nos campeões do carnaval de 2018.  

Ficou a esperança que a revoada de tuiutis nos inspire.