Ae94b967 7635 4e02 a092 7f0d17f79df5

A gestão do prefeito Rogério Teófilo (PSDB) desde o inicio da sua administração vem priorizando aliados políticos e empresários enquanto a população é penalizada com falta de medicamentos nos postos de saude e Unidades Básicas de Saúde. Um fato que chamou a atenção da população foi a publicação no Diário Oficial do Estado que a Superitendencia Municipal de Transporte e Transito (SMTT) de Arapiraca prorrogou o contrato para fornecimento de combustível. 
O posto beneficiado no edital, lançado no meio do ano passado, é  de propriedade do vereador Thiago ML (PMN), e fica localizado na Avenida Ceci Cunha. O vereador é uma dos 12 entre os 17 vereadores que fazem parte da base de sustentação de Teófilo na Câmara Municipal O contrato firmado em junho e custou quase R$ 350 mil. 
Agora, a SMTT prorrogou até dezembro deste ano. Vale lembrar que até julho do ano passado, Thiago ML fazia duras críticas ao prefeito. Mas assim como a maioria dos parlamentares, agora faz parte do grupo de sustentação da administração tucana.
Aluguel caro em área privilegiada 
Outro fato que chamoia a tenção foi no final do ano passado, quando a Coordenação de Licitação da Prefeitura de Arapiraca, comandada pelo empresário Adoniran Lúcio de Souza Guerra, passou a funcionar em um novo prédio na Avenisa duplicada José Alexandre.
O prefeito autorizou a saída do órgão, de um espaço público para um imóvel privado pertencente a um megaempresário. No local funcionava um restaurante de luxo, denominado República dos Camarões, na Avenida José Alexandre (Al-220) próximo ao residencial de luxo Ouro Verde. 
O antigo espaço onde funcionava a coordenação era a Escola de Governo, no bairro Santa Edwvirgem, próximo ao Centro Administrativo. O prédio foi doado pelo prefeito a Câmara Municipal que passa a funcionar no novo local a partir do dia 19 de fevereiro, quando termina o período de recesso de final de ano.

De acordo com o Diário Oficial de dezembro do ano passado, o aluguel do imóvel custa cerca de R$ 9.500 por mês, o que durante um ano totaliza cerca de R$ 120 mil aos cofres públicos do município. Além disso, ainda no mês passado, o prédio teve que passar por uma reforma para que o órgão começasse a executar os trabalhos no novo local.